Uma molécula de dois braços pode efetivamente acabar as células protetoras do câncer dentro dos tumores, permitindo que o sistema imunológico lute contra a doença, sem se tornar hiperativo. O estudo foi publicado na Science Translational Medicine e pode levar a novos tipos de imunoterapias contra o câncer.

“Ao remover efetivamente essas células imunossupressoras dentro dos tumores, em vez de em todo o corpo, o sistema imunológico pode atacar o câncer sem causar doenças autoimunes prejudiciais”, disse o líder do estudo, Yang-Xin Fu, professor de Patologia, Imunologia e Oncologia de Radiação na UT Southwestern. 

publicidade

Por décadas, os pesquisadores descobrirma que o sistema imunológico não só desempenha um papel fundamental no combate ao câncer por meio da ação direta de células T assassinas e outros componentes, mas também se opõe a esses esforços por meio de células conhecidas como células T reguladoras (T regs ). 

Essas céulas ajudam a regular a resposta imunológica, evitando que se tornem hiperativas e causem doenças autoimunes. No entanto, eles também se acumulam em tumores, protegendo-os do ataque imunológico.

Os T regs mantêm um equilíbrio de duas proteínas em suas superfícies que transmitem sinais para os fagócitos que mantêm tudo sob controle, explicou o Dr. Fu. Com isso, várias imunoterapias procuram aumentar um dos sinais para reduzir os tumores. 

Leia mais!

No entanto, cada estratégia tem desvantagens: aumentar o sinal “coma-me” tem efeitos sistêmicos que estimulam a autoimunidade, enquanto diminuir o sinal “não me coma” só se mostrou promissor para o tratamento de cânceres do sangue, como leucemias.

Procurando por uma nova maneira de esgotar a substância, a equipe criou uma molécula de dois braços que simultaneamente aumenta o sinal enquanto bloqueia outro para fazer com que os fagócitos consumam essas células imunossupressoras.

Quando foi injetado em modelos de camundongos de câncer de cólon, eles descobriram que preferencialmente esgotavam em tumores sem afetar os do resto do corpo, poupando os animais de doenças auto-imunes induzidas por tratamento. 

Como o número do elemento diminuiu com o tratamento, os tumores dos animais diminuíram significativamente. Isso porque essa estratégia também funcionou em camundongos portadores de tumores de câncer de pulmão humano, sugerindo que poderia ser viável em pacientes humanos.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!