Pessoas totalmente vacinadas com a vacina Moderna contra a Covid-19 parecem ter um risco menor de infecções causadas pela variante Delta do que aquelas que receberam a vacina Pfizer, sugere um novo relatório preliminar. Os pesquisadores enfatizaram que ambas as vacinas ainda “protegem fortemente” contra doenças graves, mas a diferença parece estar no grau de proteção que oferecem.

O risco de infecção foi 60% menor entre os receptores de Moderna do que entre os da Pfizer, de acordo com uma análise de dados de julho da Flórida, onde a variante Delta levou os casos de Covid-19 a novos patamares.

publicidade

Os pesquisadores da Mayo Clinic descobriram que, em Minnesota, no mês passado, a vacina Moderna foi 76% eficaz na prevenção de infecções, enquanto a vacina Pfizer foi apenas 42%. Os novos dados foram publicados em um resumo do estudo pré-impresso que está aguardando uma revisão completa por pares, portanto, os resultados devem ser considerados preliminares.

No entanto, o Dr. Amesh Adalja, pesquisador sênior do Johns Hopkins Center for Health Security, em Baltimore, enfatizou que “quando se trata de vacinas, o mais importante, e para mim a única coisa que importa, é que elas protegem contra doenças graves , hospitalização e morte. Isso é o que as vacinas foram projetadas para fazer – não para ser algum campo de força mágico que interrompe todas as infecções de emergência. “

Adalja explicou que “por esse padrão, as vacinas estão apresentando um desempenho tremendo. Acho importante lembrar que a vacina Moderna é uma dosagem mais alta do que a vacina Pfizer, e isso pode ser responsável por esta discrepância neste estudo, que não passou revisão por pares “. Porém, o governo Biden está considerando os dados como um “alerta”, segundo Axios.

Leia mais:

A Pfizer comentou que ela e a parceira BioNTech “esperam ser capazes de desenvolver e produzir uma vacina sob medida contra essa variante [Delta] em aproximadamente 100 dias após a decisão de fazê-lo, sujeito à aprovação regulatória”. Em uma declaração, a empresa enfatizou a eficácia de sua vacina contra a Covid-19 e disse que também estava desenvolvendo uma dose de reforço.

“A Pfizer e a BioNTech implementaram um programa robusto de pesquisa de reforço para garantir que nossa vacina continue a oferecer o mais alto grau de proteção possível”, explicou a empresa Pfizer. Isso porque “os dados iniciais de uma terceira dose da vacina atual demonstram que uma dose de reforço administrada pelo menos 6 meses após a segunda dose produz altos títulos de neutralização contra as variantes do tipo selvagem, Beta e Delta”.

Na semana passada, a Moderna alertou que as infecções emergentes estão aumentando e disse que as pessoas que receberam a vacina provavelmente precisarão de uma injeção de reforço antes do inverno, informou a CNBC .

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos disseram que o risco de infecção é 8 vezes maior nos não vacinados do que nos vacinados, além de que o risco de hospitalização ou morte é 25 vezes maior, informou a CNBC.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!