A Zâmbia, país do sul da África, restringiu alguns serviços de mensagens e plataformas digitais, como o WhatsApp, durante a realização das eleições, que ocorrem nesta quinta-feira (12). A ação não foi comunicada de forma oficial pelo governo, mas muitos usuários no Twitter informaram que não estão conseguindo utilizar algumas redes no país.

A Netblocks, que monitora o acesso à internet no mundo, informou que dezenas de provedores de internet na Zâmbia bloquearam o mensageiro das páginas disponíveis. Alguns desses provedores, inclusive, pertencem ao governo local. As empresas não se pronunciaram.

publicidade

WhatsApp bloqueado nas eleições

A ação, contudo, já havia sido mencionada pelo governo do país. Em um relatório, políticos afirmaram que “desligariam a internet” se a população não soubesse “usar as redes, incluindo o WhatsApp, corretamente durante as eleições”. A expectativa é que os serviços sigam bloqueados nesta quinta, quando ocorre a votação, até domingo, data em que termina contagem de votos.

Leia também!

Após a divulgação do relatório nessa semana, o Secretário Permanente de Serviços de Informação e Radiodifusão, Amos Malupenga, disse que os documentos eram falsos, mas que não iria tolerar abusos na internet. “O governo, portanto, espera que os cidadãos usem a internet de forma responsável. Mas se algumas pessoas escolherem abusar da internet para enganar e desinformar, o governo não hesitará em invocar as disposições legais relevantes para evitar qualquer quebra da lei e da ordem enquanto o país passa pelo período eleitoral”, disse.

A Zâmbia não é o primeiro país da África adotar a medida. Camarões, Congo, Uganda, Tanzânia, Guiné, Togo, Benin, Mali e Mauritânia também bloquearam serviços durante o período eleitoral. O argumento é de que isso serve para garantir a segurança do processo.

No entanto, a oposição alega que essa é uma forma de restringir a informação no país, inclusive a denúncia de eventuais crimes eleitorais. Usuários da Zâmbia estão tendo de recorrer a serviços de VPN para usar o WhatsApp durante as eleições.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!