O DNA do “homem denisovano” ou “hominídeo denisovano” está presente em maior evidência na população das Filipinas, segundo novo estudo publicado por especialistas no jornal Current Biology. Especificamente, o grupo étnico conhecido como “Ayta Magbukon” foi o que apresentou a maior conservação do DNA histórico.

Cientistas determinaram, em repetidas ocasiões, que o homem denisovano se relacionou com o homem moderno há milhares de anos, e essa relação gerou uma preservação de parte de seu código genético nas populações atuais. Anteriormente, porém, pensava-se que eram os residentes das regiões altas de Papua-Nova Guiné que concentravam a maior parte dessa informação biológica — o novo estudo revela que não é bem assim.

publicidade

Leia também

Montagem mostra o hominídeo denisovano, alinhado lateralmente a representantes do povo "Ayta Magbukon" das Filipinas.

O DNA do homem denisovano é preservado nas populações étnicas filipinas até hoje
O hominídeo denisovano (esq., renderizado) tem seu DNA vivo até hoje, preservado na população Ayta Magbukon, das Filipinas. Imagem: Museu de História Natural/Daily Mail/Reprodução

“Nós concluímos essa observação mesmo considerando que os ‘Ayta Magbukon’ foram recentemente incluídos nos grupos biológicos pertinentes ao extremo asiático – que trazem pouca ancestralidade denisovana, que lhes é bastante diluída”, disse Maximilian Larena, da Universidade de Uppsala, na Suécia. “Se levarmos em conta a ancestralidade biológica dos ‘Ayta Magbukon’, o percentual de DNA do homem denisovano pode ser até 46% maior do que o que é visto em australianos e papuásios”.

O estudo visava analisar profundamente a história da população filipina. Para isso, Larena e sua equipe atuaram na busca por informações de 2,3 milhões de genótipos, relacionados a 118 grupos étnicos das Filipinas. Isso foi possível graças a uma parceria entre a Universidade de Uppsala, a Comissão Nacional de Cultura e Artes das Filipinas (NCCA) e diversas comunidades nativas, universidades locais e entidades governamentais e não governamentais.

O documento mostrou que a população “Ayta Magbukon” apresenta o mais alto nível de concentração do DNA do hominídeo denisovano não apenas das Filipinas, mas do mundo todo. Aliado à descoberta do homo luzonensis na região, em 2007, a conclusão é a de que o DNA denisovano gerou diversas espécies arcaicas de hominídeos antes da chegada do homem moderno, e esses grupos tinham relação genética direta.

“Entretanto”, disse Mattias Jakobsson, co-autor do estudo, “alguns grupos se misturaram de forma mínima e apenas com os imigrantes mais recentes. Por esse motivo, os ‘Ayta Magbukon’ retiveram a maior parte dos tratos arcaicos e ficaram com o maior volume de ancestralidade denisovana do mundo”.

O estudo agora servirá como base para novas pesquisas de mapeamento genético, com a expectativa de obter respostas mais detalhadas sobre a influência de tratos genéticos arcaicos na adaptação da nossa espécie.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!