A Via, antiga Via Varejo e dona das marcas Casas Bahia e Ponto, decidiu apostar na expansão dos serviços financeiros do banco digital BanQi.

Em julho, a fintech, que pretende ofertar R$ 300 milhões em créditos em 2021, também recebeu o sinal verde do Banco Central para operar como uma sociedade de crédito direto.

publicidade

O CEO do BanQi, André Calabró, diz que o fundo recebido pela empresa veio através da Via. Contudo, para 2022, a ideia é captar usando fundos de direitos creditórios (FDICs) – um conjunto de recursos que destina uma parcela acima de 50% do patrimônio líquido de uma empresa para aplicações nos chamados direitos creditórios, que são valores já reconhecidos, mas que ainda não estão disponíveis para recebimento.

Com uma base atual de 2,6 milhões de clientes ativos, o BanQi também visa oferecer cartões de crédito e linhas de crédito pessoal ao longo do ano que vem.

Leia mais:

Via também comprou a fintech Celer este ano

Estratégia da Via é ampliar o seu portfólio de serviços financeiros. Imagem: Panchenko Vladimir/Shutterstock

A Via também anunciou outras novidades neste ano. A primeira foi o rebranding da marca, que passou de Via Varejo para simplesmente ‘Via’. A mudança foi parte da estratégia da empresa se tornar um player que atua além do varejo tradicional.

O segundo anúncio, foi a compra da fintech Celer, que possui uma plataforma de soluções de pagamento. A empresa oferece serviços para comércios, como conta digital, além de emissão e processamento de cartões, gestão de cobranças e transferências (incluindo suporte ao PIX).

Com a aquisição, a Via espera ampliar o seu portfólio de serviços financeiros oferecidos aos comerciantes do seu marketplace.

Créditos da imagem principal: William Potter/Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!