A WeWork, a startup americana que oferece espaços de trabalho compartilhados, adotou uma nova estratégia para aproveitar a volta gradual ao regime de trabalho presencial. O plano da empresa, presente em 38 países, é tentar recuperar parte das perdas registradas ao longo da pandemia, já que os escritórios em geral ficaram desocupados.

Pensando nisso, o serviço lançou nesta quinta-feira (2) um plano de assinatura mensal que oferece acesso a todos os edifícios cadastrados na plataforma. Antes, a WeWork operava com reservas e pagamentos sob demanda.

publicidade

A ideia é oferecer mais flexibilidade à medida que a vacinação contra Covid-19 avança e as companhias já avaliam as opções de trabalho para o pós-pandemia.

Chamado de “WeWork All Access”, a assinatura custará R$ 795 mensais com um valor promocional de lançamento de R$ 477. O pacote pode ser adquirido pelo aplicativo da startup.

Entrada de um espaço de co-working da startup WeWork em Nova York
Entrada de um dos espaços de co-working da startup WeWork em Nova York. Imagem: rblfmr/Shutterstock

Lucas Mendes, diretor da WeWork no Brasil, disse ao Estadão que a procura por escritórios “não está igual ao que era antes da pandemia”. O executivo aponta que poucas empresas estão funcionando no “modelo de segunda a sexta”: “A maioria frequenta em horários diferentes. Achamos que essa flexibilidade veio para ficar”.

“Com um produto como o WeWork All Access, é possível fazer a assinatura de um mês e depois cancelar. É uma forma de cobrar pelo uso em vez do aluguel rígido”, acrescentou Mendes.

Com 700 unidades em 150 cidades ao redor do mundo (32 edifícios no Brasil), a companhia opera atualmente em São Paulo, Alphaville, São Bernardo do Campo, Osasco, São José dos Campos, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre.

Leia mais:

Plano de recuperação no pós-pandemia

Com o avanço da variante Delta, o plano de recuperação da empresa foi ligeiramente afetado. No segundo trimestre fiscal, por exemplo, a receita foi de US$ 593,4 milhões, o que representa uma queda de 1% em relação ao trimestre anterior. A expectativa é que o faturamento atinja até US$ 700 milhões no próximo trimestre.

Em contrapartida, o fluxo de membros de serviço no Brasil, segundo a startup, registrou um crescimento expressivo de cerca de 980% em agosto se comparado a abril do ano passado, início da pandemia. São Paulo, por exemplo, foi a quinta cidade do mundo com o maior fluxo de membros da WeWork no mês passado.

Por fim, o diretor da empresa no Brasil afirma que a meta é expandir a oferta do serviço na América Latina. Para 2022, a meta é reforçar a disponibilidade da plataforma de aluguel de escritórios nas cidades em que já opera, além de começar a oferecer o modelo de negócio em outros estados.

Créditos da imagem principal: Linda Parton/Shutterstock

Fonte: Estadão

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!