Sabemos que a Covid-19 é uma doença que pode ser contraída de maneira grave independentemente da idade. No entanto, um estudo do Reino Unido acredita que crianças tenham menos probabilidade de desenvolver sequelas da infecção.

Os efeitos da doença causada pelo SARS-CoV-2 em adultos podem durar vários meses seguidos, mas a pesquisa concluiu que apenas cerca de 4% das crianças e adolescentes infectados apresentam sintomas mais de um mês após a infecção.

publicidade

Entre os sintomas encontrados, estão a fadiga, dores de cabeça e perda de olfato, mas os voluntários deixaram as queixas de lado após dois meses da infecção. Não se sabe exatamente qual o causador dos sintomas de longo prazo em adultos, apenas que a situação é mais comum no grupo.

Crianças. Imagem: Shutterstock
Crianças têm menos probabilidade de ter sequelas da Covid-19. Imagem: Albr Shutterstock

Apesar dos baixos riscos de sequelas persistentes causadas pela Covid-19, as crianças infectadas estão propensas a desenvolver outros quadros raros, como inflamação do coração ou síndrome inflamatória multissistêmica.

Especialistas em saúde infantil também alertam que a variante Delta pode ser mais agressiva para crianças. “Estamos extremamente ocupados cuidando de pacientes pediátricos com diagnóstico de Covid-19 nas últimas semanas, vimos um dos maiores aumentos nos casos de Covid-19 em nosso hospital desde o início da pandemia”, disse Angela Green, vice-presidente do Johns Hopkins All Children’s Hospital, na Flórida, nos Estados Unidos.

Apesar disso, ainda há dúvidas sobre a variante Delta ser mais forte em crianças. Os números de rastreamento mostram que a taxa de hospitalizações pediátricas é quase a mesma das cepas anteriores, variando entre 0,1% e 1,9% dependendo do estado dos EUA. “Embora estejamos vendo um aumento no número geral de casos, nossa taxa de hospitalização por Covid permaneceu a mesma”, completou Green.

Leia também!

O fato da variante Delta ser mais contagiosa que as versões anteriores do vírus podem fazer com que ela atinja mais crianças sem necessariamente afetar de forma mais grave esse grupo. No entanto, como menores de 12 anos ainda não são vacinados, ficam mais vulneráveis.

“Se você está olhando apenas para os números diretos, mesmo que não seja mais grave, conforme você pega mais infecções, mais crianças são hospitalizadas e, infelizmente, mais crianças morrem”, disse Dr. Ezekiel Emanuel, codiretor do Healthcare Transformation Institute da University of Pennsylvania, na Filadélfia.

Via: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!