A bilheteria mundial dos cinemas para 2021 está projetada para chegar a US$ 20,2 bilhões (cerca de R$ 105 bilhões), 52% abaixo do ano recorde de 2019 e 68% acima de 2020 (período maior afetado pela pandemia de Covid-19), diz um novo relatório da Gower Street Analytics.

A empresa de tecnologia cinematográfica com sede em Londres, no Reino Unido, especializada em arrecadação preditiva para os setores de distribuição e exibição, calculou a estimativa de final de ano após avaliação de que a bilheteria global havia correspondido aos resultados totais de 2020 no fim do mês passado.

publicidade

Em 31 de agosto, a receita mundial para 2021 era de US$ 12 bilhões (aproximadamente R$ 62 bilhões), igualando todo 2020. O resultado do ano atual até a data em questão estava 58% à frente de 2020, mas 58% abaixo da média dos últimos três anos pré-pandemia (2017 a 2019). ‘Velozes e Furiosos 9’, da Universal Pictures, é o atual líder global entre os títulos de Hollywood com US$ 714,4 milhões até o momento. Há oito filmes estadunidenses no Top 10 até agora, contra cinco em 2020.

Letty (Michelle Rodriguez) e Dom (Vin Diesel) em 'Velozes e Furiosos 9', dirigido por Justin Lin. Imagem: Universal Pictures/Divulgação
Letty (Michelle Rodriguez) e Dom (Vin Diesel) em ‘Velozes e Furiosos 9’, dirigido por Justin Lin. Imagem: Universal Pictures/Divulgação

Em 11 de setembro, Gower Street estimou que a bilheteria internacional (excluindo a China) está em US$ 5,22 bilhões (por volta de R$ 27 bilhões), enquanto a chinesa está em US$ 5,13 bilhões (R$ 26,75 bilhões). No último fim de semana, que foi liderado por ‘Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis’ da Disney/Marvel Studios, marcou a primeira vez em 2021 que a arrecadação no exterior ultrapassou a da China – que, atualmente, tem o filme de maior bilheteria do ano.

No entanto, as projeções para 2021 inteiro mostram que a China está a caminho de ser mais uma vez o maior mercado de cinema no mundo com US$ 6,6 bilhões (cerca de R$ 34 bilhões), mais do que dobrando o resultado alcançado em 2020. No entanto, vale ressaltar que a indústria da sétima arte ainda segue sendo afetada pela pandemia de Covid-19, seja pela ascensão da variante Delta ou por lançamentos simultâneos no streaming de alguns longas.

Leia mais:

A Gower Street atualmente estima que os chamados totais offshore (resultados totais, mas que excluem a China) chegarão a aproximadamente US$ 9,1 bilhões (aproximadamente R$ 47 bilhões) para o ano. Regionalmente, os analistas dizem que incluirá US$ 4,3 bilhões (R$ 22,42 bilhões) da Europa, Oriente Médio e África; US$ 3,85 bilhões (R$ 20,07 bilhões) da Ásia-Pacífico (sem China); e US$ 900 milhões (R$ 4,692 bilhões) da América Latina. O total previsto para o mercado doméstico dos Estados Unidos (EUA) é de US$ 4,5 bilhões (R$ 23,46 bilhões) .

Usando os números previstos, e incluindo a China, toda a bilheteria mundial acabaria representando 78% do total global, em comparação com 82% em 2020 e 73% em 2019.

De qualquer forma, ainda há alguns títulos ainda a serem lançados este ano que podem mexer com os resultados, como ‘Duna’ e ‘Matrix Resurrections’ (Warner Bros.); ‘007 – Sem Tempo Para Morrer’ (Universal Pictures); ‘Venom: Tempo de Carnificina’ e ‘Homem-Aranha: Sem Volta para Casa’ (Sony Pictures), e ‘Eternos’ (Disney/Marvel Studios).

Fonte: Deadline

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!