Teve início na última terça-feira (14) um programa de restauração no lendário monumento histórico Stonehenge, localizado na planície de Salisbury, no condado de Wiltshire, no sul da Inglaterra. De acordo com a Agência Herança Inglesa, esse é um dos maiores trabalhos de conservação a ser realizado em décadas no local.

View this post on Instagram

A post shared by Stonehenge (@stonehenge)

publicidade

Considerado patrimônio mundial, o Stonehenge é um dos monumentos pré-históricos mais famosos do planeta. Suas pedras, chamadas sarsens, têm cerca de 4,5 mil anos e são formadas por 99,7% de cristais de quartzo, material extremamente durável e resistente à erosão e ao intemperismo, configurado em uma estrutura entrelaçada que torna as pedras quase indestrutíveis.

Exatamente, quase. Mesmo algo tão bem estruturado não está totalmente livre das ações do tempo. Prova disso são alguns buracos e rachaduras detectados em determinados pontos das rochas horizontais que ficam no topo, chamadas lintéis.

Leia mais:

Danificações em Stonehenge são quase imperceptíveis

Embora sejam quase imperceptíveis (tanto que só foram identificados por uma varredura a laser), esses sinais de erosão já foram consertados nas décadas de 1950 e 1960. No entanto, uma restauração se fez necessária em virtude do material utilizado na época já estar bastante defasado.

Dessa forma, a obra, que utilizará andaimes para permitir o acesso ao topo das pedras, que ficam a nove metros de altura, substituirá a argamassa de concreto usada anteriormente por argamassa de cal, para impedir que as rachaduras se ampliem.

“Quatro mil e quinhentos anos sendo golpeadas por vento e chuva criaram rachaduras e buracos na superfície das pedras, e este trabalho vital protegerá as características que tornam Stonehenge tão distinto”, disse Heather Sebire, curadora sênior da Herança Inglesa, instituição de caridade que cuida do monumento.

Segundo Sebire, Richard Woodman-Bailey, que tem 71 anos atualmente, tinha apenas 8 anos quando cravou uma moeda na argamassa sob uma das pedras gigantes, na ocasião da restauração de 1958. Ele repetirá o feito, depositando outra moeda recém-cunhada de duas libras esterlinas dentro da nova argamassa.

Fonte: Reuters

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!