Imagens de satélite revelam que a Coreia do Norte está expandindo uma instalação-chave de enriquecimento de urânio para armas nucleares. Segundo a CNN, especialistas que analisaram as fotos dizem que a reforma do local pode indicar que o país planeja aumentar a produção de armas, já que esta instalação encontrava-se inativa.

Obras na usina de enriquecimento de urânio do Centro de Pesquisa Nuclear de Yongbyon. Imagem: Maxar – Middlebury Institute of International Studies

As imagens foram capturadas no começo da semana pela Maxar, empresa de imagens comerciais por satélite, e mostram obras sendo realizadas em uma usina de enriquecimento de urânio localizada no complexo do Centro de Pesquisa Nuclear de Yongbyon.

publicidade

Produção de material para armas nucleares pode aumentar em 25% no país

Segundo Jeffrey Lewis, especialista em armas e professor do Instituto Middlebury de Estudos Internacionais, as reformas no local podem permitir que a Coreia do Norte aumente a produção de material nuclear para armas em até 25%.

“A expansão mais recente em Yongbyon provavelmente reflete os planos de aumentar a produção de materiais nucleares para a produção de armas”, acrescentou, destacando que a construção em andamento deve adicionar espaço à instalação, permitindo que abrigue mais centrífugas e, assim, enriqueça mais urânio, exatamente como buscavam esforços anteriores.

Imagens mostram a Coreia do Norte expandindo instalação atualmente inativa que é usada para enriquecer urânio para armas nucleares. Imagem: Maxaar – Middlebury Institute of International Studies

“A nova área é de aproximadamente mil metros quadrados, espaço suficiente para abrigar mil centrífugas adicionais. A adição de mil novas centrífugas aumentaria a capacidade da planta de produzir urânio altamente enriquecido em 25%”, explicou Lewis.

De acordo com a reportagem, autoridades do governo dos EUA estão cientes das atividades recentes na planta de enriquecimento de urânio de Yongbyon e reconhecem que isso pode sinalizar planos para aumentar a produção de urânio para armas.

No entanto, o Conselho de Segurança Nacional, o Departamento de Defesa, o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional e a CIA se recusaram a comentar o assunto.

Leia mais:

Coreia do Norte realizou testes de armas nucleares nesta semana

Na última quarta-feira (15), a Coreia do Norte realizou o lançamento de dois mísseis balísticos de curto alcance em águas na costa leste da Península Coreana, o que também demonstraria seus esforços nesse sentido.

Autoridades americanas que não quiseram se identificar, afirmaram à CNN que a Coreia do Norte conduziu um lançamento de míssil no último fim de semana, depois de já ter testado um míssil de cruzeiro de longo alcance capaz de atingir o Japão.

Juntas, as atividades aumentaram as tensões naquela que já era uma das regiões mais voláteis do planeta.

Além disso, segundo um recente relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), o país parece ter reiniciado um reator nuclear no mesmo complexo de Yongbyon, onde está a usina inativa em reforma.

O relatório diz que esses foram os primeiros indícios de atividade no reator desde dezembro de 2018, chamando as atividades nucleares da Coreia do Norte “um motivo de séria preocupação” e os novos desenvolvimentos de “profundamente preocupantes”.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!