Uma orca idosa, de aproximadamente 47 anos, matriarca de uma extensa família que vive no nordeste do Oceano Pacífico, não é vista há meses, o que faz os pesquisadores que monitoram a espécie na região acreditarem que ela tenha morrido. 

Orca L47 flagrada brincando no mar em 2020. Imagem: Centro de Pesquisa de Baleias (CWR)

Segundo o Live Science, a vovó conhecida como L47 era uma das fêmeas mais prolíficas dos residentes do Sul do Pacífico na juventude, tendo trazido ao mundo sete filhotes – número maior do que qualquer outra fêmea da espécie daquele local.

publicidade

De acordo com representantes do Centro de Pesquisa de Baleias (CWR), os residentes do sul são três grupos (ou “famílias”) – J, K e L – de orcas intimamente relacionadas que nadam nas águas próximas da Colúmbia Britânica, Washington e Oregon, nos EUA. 

Orca L47 não consta no censo 2021 do Oceano Pacífico

Na segunda-feira (20), o CWR divulgou que L47 não consta no censo de 2021 dos residentes do sul, pois estava ausente na ocasião do levantamento, ocorrido em setembro, tendo sido vista pela última vez em 27 de fevereiro, no Canal Swanson, perto da Colúmbia Britânica.

Embora não parecesse desnutrida ou em perigo, ela não foi vista novamente em pesquisas realizadas durante os meses seguintes no Estreito de Juan de Fuca, um corpo de água que conecta o Mar Salish ao Oceano Pacífico. 

Durante o censo realizado em setembro, os pesquisadores do CWR encontraram e fotografaram repetidamente os filhos e netos de L47, mas nada da vovó. “Sua ausência repetida atende aos nossos critérios para declarar uma baleia desaparecida e provavelmente morta”, afirmaram representantes da CWR em comunicado.

Leia mais:

É importante ressaltar que, embora seja conhecida pela alcunha de “baleia assassina”, a orca não é uma baleia, e sim um tipo de golfinho gigante. Mas, popularmente, ela é chamada mesmo de baleia.

Cada núcleo familiar gira em torno de uma fêmea mais velha, e L47 é a base do grupo L. Duas de suas filhas ainda estão vivas e tiveram seus próprios filhos. As orcas fêmeas se reproduzem até os 40 anos, de acordo com a National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA). Além delas, L47 também tem um filho vivo de aproximadamente 10 anos, chamado L115.

Orca L47 com seu filho mais novo, L115. Crédito: Centro de Pesquisa de Baleias (CWR)

Morte da vovó orca pode desestabilizar sua família

Os clãs de orcas dependem de suas matriarcas para a liderança, especialmente quando o salmão é difícil de encontrar, e a possível morte de L47 pode significar problemas para os membros mais jovens e vulneráveis ​​da família.

“Seu filho, L115, corre um risco aproximadamente três vezes maior de morte nos próximos dois anos do que um macho da mesma idade correria estando com uma mãe viva”, diz a CWR. 

Se confirmada a morte de L47, o número de orcas residentes no sul vai para 74 indivíduos, mas esse número representa apenas uma pequena fração das “baleias assassinas” em todo o mundo. 

Segundo a NOAA, embora algumas populações de orcas, incluindo as residentes do sul do Pacífico, tenham diminuído nas últimas décadas, estima-se que ainda existam 50 mil orcas em todo o mundo, quase metade delas vive nas águas do nordeste do Pacífico.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!