Os exercícios físicos deixam os músculos cheios de feridas microscópicas. Cientistas descobriram que, após um treino rigoroso, os centros de controle das células musculares – chamados núcleos – correm em direção a esses pequenos ferimentos para ajudar a curá-los.

No novo estudo, publicado em 14 de outubro na revista Science, os pesquisadores identificaram um mecanismo de reparo até então desconhecido que entra em ação após uma corrida na esteira. Imagens mostram como, logo depois da conclusão do exercício, os núcleos correm em direção a rupturas nas fibras musculares e emitem comandos para que novas proteínas sejam construídas, a fim de selar as feridas. Esse mesmo processo provavelmente se desdobra em suas próprias células nas horas depois que você volta para casa da academia.

publicidade

Leia também:

Os autores do estudo, a Dra. Elizabeth McNally e Alexis Demonbreun, da Escola de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern, descobriram que “os núcleos se moveram em direção ao local da lesão dentro de 5 horas após a lesão”. Ainda de acordo com os pesquisadores, em apenas 24 horas após o ferimento, o processo de reparo estava “quase completo”.

Como os exercícios “ferem” os músculos

Os músculos esqueléticos, que permitem movimentos voluntários como caminhar, são compostos de muitas células tubulares finas; essas células também são chamadas de “fibras musculares”, devido à sua aparência semelhante a um fio. Um único músculo pode conter centenas a milhares de fibras musculares, de acordo com o National Cancer Institute. E cada fibra contém unidades de máquinas contráteis, conhecidas como sarcômeros, que se contraem e se alongam durante o exercício.

A contração excêntrica, em que os músculos são alongados à força à medida que se contraem, pode fazer com que esses sarcômeros se estiquem excessivamente. Quando os sarcômeros se alongam excessivamente durante o exercício, eles podem puxar a membrana que os cerca, causando danos, de acordo com uma revisão de 2001 publicada no Journal of Physiology.

Mulheres fazendo exercícios físicos
O próprio corpo é capaz de curar as feridas microscópicas provocadas pelos exercícios físicos. Imagem: Drazen Zigic/Shutterstock

Nessas situações, as células musculares contam com uma equipe celular habilidosa para ajudar a consertá-las. Estudos anteriores mostraram que, segundos após a ocorrência de uma lesão induzida por exercício, várias proteínas formam uma “capa” sobre a região danificada da membrana, e mitocôndrias próximas, as chamadas fontes de força da célula, ajudam a absorver qualquer excesso de cálcio que entrou na célula através do ferimento, uma vez que a quantidade de cálcio nas células musculares deve ser controlada para que funcionem adequadamente. E agora, o novo estudo sugere que os núcleos das células musculares também “correm” para ajudar.

Como o próprio corpo “cura” os músculos após o treino

Para o estudo, os pesquisadores colocaram camundongos adultos em uma esteira inclinada para baixo e coletaram amostras de fibras musculares dos animais após suas sessões de corrida. Além disso, eles pediram a 15 voluntários humanos saudáveis ​​que corressem em uma esteira e, então, fizeram a biópsia das fibras musculares do vasto lateral, uma parte do quadríceps.

Eles descobriram que, tanto nas fibras musculares de camundongos quanto nas fibras musculares humanas, as proteínas se acumularam ao redor das lacerações das fibras e formaram “cicatrizes” 5 horas após o exercício. E nas fibras musculares amostradas 24 horas após o exercício, grupos de núcleos haviam se aproximado das feridas. Para ver exatamente como os núcleos haviam migrado em direção aos locais das lesões, a equipe cultivou células musculares de camundongos em placas de laboratório e as eletrocutou com lasers, para imitar a lesão induzida por exercícios.

Nas células cultivadas em laboratório, os núcleos se reuniram em torno dos ferimentos em 5 horas e logo geraram “pontos críticos” de construção de proteínas nas proximidades. Especificamente, a migração de núcleos foi seguida por uma explosão repentina de moléculas de mRNA, uma espécie de manual de instruções genéticas construído no núcleo. O mRNA essencialmente copia os projetos codificados no DNA e os transporta para a célula, onde novas proteínas podem ser construídas. As proteínas recém-construídas ajudam a selar e reconstruir as células musculares lesadas.

No futuro, os tratamentos médicos podem ser concebidos para atingir as vias moleculares que permitem que os núcleos migrem e iniciem esse processo de reparo. Isso poderia ajudar a acelerar a recuperação dos pacientes após lesões musculares, escreveram McNally e Demonbreun em seus comentários.

Curiosamente, os autores também descobriram que os ratos que treinaram na esteira antes do estudo desenvolveram menos cicatrizes em suas fibras musculares do que os ratos que não foram submetidos a nenhuma prática anterior. Isso se alinha com as evidências anteriores de que, com um treinamento consistente, os músculos se tornam mais fortes e menos propensos a lacerar durante os exercícios.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!