A capacidade de transmissão do vírus da Covid-19 pelas vias nasais em bebês, crianças e adolescentes é equivalente a de adultos, diz uma pesquisa feita pela Universidade de Harvard e pelo MIT, nos Estados Unidos.

O objetivo do estudo, publicado no Journal of Infectious Diseases, é medir o grau de transmissão da doença com a volta às aulas. Esse dado é ainda mais relevante se considerado que no mundo as crianças e os adolescentes são os menos vacinados contra a Covid-19, devido a falta de imunizantes aprovados para esse público.

publicidade

A análise contou com a participação de 110 pessoas incluindo recém-nascidos de apenas duas semanas de vida e jovens adultos com 21 anos. Todos testaram positivo para o coronavírus no período de um ano entre abril de 2020 e o mesmo mês de 2021.

Entre os participantes, 33% precisaram de hospitalização e destes, 16% necessitavam da ajuda de aparelhos para respirar. Não houveram mortes e a maior parte teve apenas sintomas leves da doença.

Para comparação, os cientistas coletaram material das narinas de adultos internados com Covid-19 entre abril de agosto de 2020, que permaneceram hospitalizados em um período equivalente ao das crianças. O material coletado em ambos os grupos tinham cargas virais semelhantes.

Bebês transmitem Covid-19

O estudo ainda descobriu que uma carga viral maior em um paciente não está ligada a uma versão mais grave da doença, algumas crianças com sintomas leves chegaram a ter carga mais alta do que outras que estavam internadas.

Leia também!

As crianças, com menos de 11 anos, também demonstraram transmitir os sintomas com mais facilidade nos primeiros dias de infecção. Nos outros grupos, não foi apontada uma diferença relevante.

O estudo destaca que o fato de bebês e crianças muitas vezes não desenvolverem sintomas graves de Covid-19 faz as pessoas pensarem que eles transmitem menos, quando na verdade isso não é a realidade, já que a transmissão não está ligada à gravidade do quadro do paciente.

A Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora dos Estados Unidos, espera aprovar em breve a vacina da Pfizer para crianças de 5 a 11 anos, ampliando ainda mais o público contemplado com a imunização. Aqui no Brasil, há vacinas disponíveis para maiores de 12 anos.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!