Na contramão da indústria automotiva, a próxima geração do Mazda MX-5 Miata — ou Mazda Roadster, no Japão — continuará a vir com motores a gasolina. Segundo fontes internas, o tradicional esportivo da fabricante será construído em torno do motor SkyActiv-X, envolvendo poucos componentes de tecnologia híbrida ou elétrica.

Se isso pode ser uma boa notícia para nostálgicos do barulho e fumaça, essa nostalgia vem a um custo. Ao contrário do anterior modelo SkyActiv-G, a Mazda não produzirá o SkyActiv-X com capacidade abaixo de 2 mil cilindradas, o que significa que o preço do MX-5 deve subir — um ponto ruim para o carro japonês, historicamente um roadster acessível nos Estados Unidos e com opções de motor 1.5. De qualquer forma, uma caixa de câmbio manual deve permanecer uma opção, até para estar de acordo com o público-alvo do automóvel.

publicidade

Os motores SkyActiv-X mais recentes são equipados com um sistema híbrido moderado que reduz ligeiramente as emissões de CO2. Em entrevista à Autocar, o chefe de projetos da Mazda, Ikuo Maeda, falou sobre o dilema enfrentado pela fabricante para manter o MX-5 na ativa: “Queremos encontrar o melhor trem de força para manter o peso do veículo, mas devido a requisitos e preferências diversificados, precisamos explorar diversas opções [de motorização].”

Além disso, Maeda ressaltou que o próximo MX-5 tem que ser um carro que “as pessoas tenham sem se preocupar em estarem sendo ecologicamente corretas”.

Construção complicada

Tecnicamente, de fato, um carro esportivo como o Miata, concebido com base em uma arquitetura leve, se tornou inviável perante o moderno processo de eletrificação. Só para ter uma ideia, o MX-30, atual SUV produzido pela Mazda, emprega uma bateria relativamente leve de 35,5 kWh, mas ainda pesa cerca de 500 kg a mais do que a versão mais recente do MX-5.

De qualquer forma, a Mazda ainda não deu informações de quando vai lançar a quinta geração do MX-5 Miata. Levando em conta o longo hiato entre cada geração do modelo, a nova configuração deve chegar ao mercado por volta de 2024. A última versão saiu dez anos atrás.

Via Autoevolution e Autocar

Créditos da imagem principal: GabrielPreda6/Shutterstock

Leia mais:

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!