Uma pesquisa da New Cleveland Clinic descobriu que medicamentos originalmente concebidos para ajudar a tratar a doença de Alzheimer podem ser promissores para o glioblastoma, que é o tipo mais comum e letal de tumor cerebral primário. 

Uma classe de medicamentos já estiveram entre os mais esperados para o tratamento da doença de Alzheimer.  Isso porque agem inibindo a proteína chamada BACE1, que é responsável pela produção de placas no cérebro, uma das principais marcas da doença de Alzheimer. 

publicidade

Após demonstrar baixa eficácia em ensaios clínicos , no entanto, o campo da neurociência se afastou dos inibidores. O elemento BACE1 também é expresso em uma classe de células imunes, que são chamadas de macrófagos associados a tumor (TAMs), encontradas no microambiente tumoral ou nos componentes de células não cancerosas de tumores sólidos. 

Os macrófagos associados a tumores são particularmente abundantes no glioblastoma, e isso levou a equipe de pesquisa, liderada por Shideng Bao, a se perguntar se os inibidores de BACE1 podem ser eficazes no tratamento ou prevenção da forma altamente agressiva de câncer no cérebro.

Leia mais:

 “A maioria dos TAMs são promotores de tumor e contribuem para a resistência ao tratamento, mas há alguns que suprimem o tumor. Se pudermos desenvolver uma terapêutica que manipule esse equilíbrio – inclinando a balança para que haja mais TAMs supressores de tumor – talvez possamos melhor tratar o glioblastoma”, explicou Dr. Bao, que dirige o Center for Cancer Stem Cell Research.

Os pesquisadores rastrearam uma ampla gama de compostos para identificar os candidatos mais promissores, revelando um inibidor BACE1 chamado MK-8931 (verubecestate). Como resultado, os macrófagos mais abundantes ajudaram a destruir as células tumorais.

De acordo com o pesquisador, essas mudanças reduziram significativamente o crescimento do tumor. Os benefícios foram ainda mais pronunciados quando o medicamento foi administrado em combinação com radiação de baixa dose. “O verubecestat já foi aprovado para uso em humanos por causa de seus testes anteriores para a doença de Alzheimer”, concluiu Dr. Bao.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!