Nesta quinta-feira (25), conforme noticiado pelo Olhar Digital, uma nova variante da Covid-19, com quantidade “extremamente alta” de mutações, foi confirmada no continente africano

Em uma série de tweets acompanhados de diagramas, o cientista de bioinformática Túlio de Oliveira, diretor do Centro de Resposta a Epidemias e Inovação (CERI) e professor da Universidade de Stellenbosch, na África do Sul, fez um apelo a bilionários e instituições financeiras de todo o mundo para que ajudem os países africanos no controle e extinção da nova cepa.

publicidade
O cientista de bioinformática brasileiro Túlio de Oliveira é diretor do Centro de Resposta a Epidemias e Inovação (CERI) da África do Sul e fez um apelo, nesta quinta-feira (25), a bilionários do mundo todo para que ajudem o continente africano a combater a nova variante do coronavírus causador da Covid-19. Imagem: Arquivo pessoal

“Eu gostaria de apelar a todos os bilionários deste mundo Elon Musk, Bill Gates, Jeff Bezos, Pat Soon-Shiong, Warren Buffett para apoiar a África e a África do Sul financeiramente para controlar e extinguir variantes! Ao proteger sua população pobre e oprimida, protegeremos o mundo”, diz um dos posts de Oliveira.

Brasileiro, formado em biotecnologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), Oliveira afirma que “o mundo deve fornecer apoio à África do Sul e à África e não discriminá-los ou isolá-los”. Para ele, ao proteger e apoiar os povos africanos, “protegeremos o mundo”.

Leia mais:

África tem financiamento para a ciência no combate à Covid-19, mas população carente precisa de ajuda

“Temos sido muito transparentes com as informações científicas”, declarou o cientista. “Identificamos, tornamos os dados públicos e alertamos, pois as infecções estão aumentando. Fizemos isso para proteger nosso país e o mundo, apesar de sofrermos potencialmente uma discriminação massiva”.

Ele destaca que a nova variante, identificada como B.1.1.529, é realmente preocupante no nível mutacional. “A África do Sul e a África precisarão de apoio (financeiro, de saúde pública, científico) para controlá-la para que não se espalhe pelo mundo. Nossa população pobre e carente não pode ficar presa sem apoio financeiro”.

Segundo Oliveira, o CERI está trabalhando “o tempo todo” para entender os efeitos em termos de transmissibilidade, resposta a vacinas, reinfecção, gravidade da doença e diagnósticos. “Temos financiamento para ciência, mas a África do Sul e a África precisam de ajuda financeira para sustentar sua população carente e seu sistema de saúde”, explica.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!