Segurança e Privacidade

Por R$ 200, site vende dados vazados de milhões de brasileiros

03/12/21 15h06, atualizada em 03/12/21 15h32
Símbolo de alerta com exclamação dentro de triângulo formado por códigos binários

Vazamento afetou 214 milhões de usuários de redes sociais. Crédito: enzozo/Shutterstock

Um site operado por cibercriminosos realiza a venda ilegal de dados de milhões de brasileiros vazados de diversas plataformas de serviços públicos por uma mensalidade de R$ 200.

As informações foram retiradas de plataformas como Receita Federal, CadSUS, INSS e outras instituições, como a Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran), o Sistema Nacional de Armas (Sinarm) da Polícia Federal, e da empresa privada Boa Vista.

O portal de venda de dados brasileiros oferece informações na “surface” — em endereços facilmente localizáveis com uma pesquisa no Google, e contatam seus clientes via Facebook. Organizadas por sessões nomeadas como “painéis”, os dados vazados estão disponíveis após um login e senha pagos, e disponibilizam nome completo, CPF, RG, endereço das pessoas e de familiares, renda estimada, foto e assinatura dos modelos mais recentes da Carteira Nacional de Habilitação.

Na prática, tanto a comercialização quanto a compra destes dados podem corresponder a crimes, infringindo os artigos 153 e 154 do Código Penal — responsáveis pela divulgação de informação particular e de segredo profissional.

Vendedores puxam dados vazados de logins indevidos

Segundo a Folha de S. Paulo, os vendedores puxam os dados vazados a partir de logins dos funcionários destas instituições, e mantém a base com informações dos brasileiros atualizada em prazos que vão de alguns dias a até um mês. Estes acessos são vendidos indevidamente aos cibercriminosos, o que também corresponde crime.

Os painéis permitem o cruzamento de dados, o que, através de uma única informação, faz com que a plataforma potencialize uma ampla gama de crimes, que vão de perfilamento para o planejamento de assaltos até golpes virtuais. Dados empresariais, como CNPJ, por exemplo, concedem uma listagem de elementos sensíveis de todo o quadro de funcionários.

A mesma busca pode facilitar ações criminosas contra policiais e desvio de armas para o tráfico, já que o mapeamento também concede dados das armas de fogo, bem como endereços de seus proprietários. Estes dados sensíveis à venda, cruzados com outras exposições de brasileiros influentes e ricos na internet, também podem levar a aplicações de crimes de chantagem.

Imagem: enzozo/Shutterstock

Leia mais:

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Deixe sua opinião
Sugeridos pra você
Tags