Em 5 de maio de 1961, o astronauta da NASA, Alan Shepard, tornou-se o primeiro norte-americano a visitar o espaço, por meio da missão Freedom 7. Exatos 60 anos depois, a septuagenária Laura Shepard repetiu o feito, fazendo jus ao legado do seu sobrenome por meio da missão NS-19, da Blue Origin, que levou a filha de Alan Shepard para fora da Terra e de volta na manhã deste sábado (11).

Os preparativos começaram em torno de 9h30 (horário de Brasília), com o início da transmissão do lançamento pelo canal oficial da Blue Origin no YouTube. Por ela, a empresa criada pelo ex-líder da Amazon, Jeff Bezos, mostrou todo o processo, desde as últimas revisões feitas na nave, até a chegada, entrada e eventual partida dos seis tripulantes: além de Laura Shepard, estavam no voo Dylan Taylor, chefe da Voyager Space; o engenheiro e investidor Evan Dick; o coapresentador do programa de TV Good Morning America, Michael Strahan; e o capitalista de risco Lane Bess junto de seu filho Cameron Bess (oficialmente, o primeiro streamer do Twitch numa viagem espacial).

publicidade

Leia também

Assim como foi com William Shatner (o Capitão Kirk da franquia Star Trek) e a aviadora e astronauta Wally Funk, o convite para que Laura participasse da missão veio do próprio Bezos, que entendeu ser coerente levar a filha do primeiro norte-americano ao espaço – até mesmo a nave usada leva o seu sobrenome, afinal.

“É divertido dizer que uma autêntica Shepard voará em um New Shepard”, declarou Laura, que é presidente da Fundação Escola de Astronautas, organização sem fins lucrativos norte-americana, em um vídeo divulgado pela Blue Origin em novembro deste ano. “Estou muito orgulhosa do legado do meu pai”, acrescentou.

A decolagem ocorreu às 12h01, a partir da base da Blue Origin no oeste do Texas. A cápsula chegou a uma altitude de 107.053km e velocidade máxima de 4.193 km/h, cruzando oficialmente a “Linha Kármán“, considerada internacionalmente como o limite do espaço.

Após alguns minutos se divertindo em “gravidade zero”, os passageiros retornaram a seus assentos para a descida e pouso próximo ao local de lançamento. Para reduzir a velocidade da cápsula, a Blue Origin usou paraquedas. A poucos metros do solo, a nave acionou seus retrofoguetes, que geram um “colchão de gás” sob ela, suavizando o impacto.

Com o sucesso da missão NS-19 e o retorno seguro da filha de Alan Shepard ao solo, a Blue Origin se mantém positiva em seu rol de lançamentos tripulados com a presença de civis. Foram três ao todo, que conferiram alguns recordes interessantes à empresa: a pessoa mais jovem (Oliver Daemen, no mesmo voo do qual participou Bezos e seu irmão) e a pessoa mais velha (William Shatner e, antes dele, Wally Funk) a irem ao espaço voaram pelas naves da companhia.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!