Uma pesquisa feita pela Academia Chinesa de Ciências, em Pequim, afirma que a variante Ômicron da Covid-19 surgiu a partir da infecção de camundongos. O estudo acredita que o vírus obteve suas 45 mutações nos roedores e depois voltou a atingir humanos. 

A tese publicada no Journal of Genetics and Genomics desacredita a teoria anterior de que a Ômicron havia evoluído de uma infecção longa de um paciente gravemente imunocomprometido.  

publicidade

No entanto, há um grande problema encontrado no novo estudo com relação a proteína spike do SARS-CoV-2 e sua relação com o hACE2, o receptor dos camundongos que corresponde ao receptor ACE2 das células dos humanos.  

Leia também!

Para que os camundongos utilizados no estudo tivessem dificuldade respiratória foi necessário a aplicação artificial do hACE2, provando que o processo da natureza não era suficiente.  

No entanto, os cientistas informam que a Ômicron pode ter se espalhado nos roedores pois não depende do ACE2 e nem da clivagem com a enzima TMPRSS (protease transmembranar), preferindo atacar diretamente as células para realizar a clivagem pela enzima catepsina.  

Além disso, o estudo também analisou as 12 substituições de pares de bases do vírus durante a evolução da Ômicron, concluindo que o espectro de mutação da cepa era diferente dos demais vírus evoluídos em seres humanos, mas semelhante ao espectro de evolução em camundongos.  

Ômicron Japão
Pesquisa aponta que variante Ômicron pode ter surgido de camundongos. Imagem: Shutterstock

O que reforça a tese é que outras pesquisas já apontavam que a variante Ômicron teria passado por um hospedeiro intermediário como um rato ou veado antes de chegar aos humanos e iniciar a nova onda de contaminação.  

“Dada a capacidade do Sars-CoV-2 de saltar através de várias espécies, parece provável que as populações globais enfrentarão variantes adicionais de origem animal até que a pandemia esteja bem sob controle”, afirmaram os pesquisadores ao comentar sobre a importância de entender a evolução do vírus da Covid-19 em animais próximos dos seres humanos. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!