Astrônomos relataram a descoberta de uma segunda lua de tamanho superdimensionado orbitando um planeta de dimensões próximas às de Júpiter, fora do nosso sistema solar. Se confirmado, o avistamento pode significar que exoluas são tão comuns no universo quanto exoplanetas, e que grandes ou pequenas, tais corpos são uma característica de sistemas planetários. 

Ilustração 3D mostra planeta semelhante à Terra com seu satélite, uma exolua. Imagem: Nazarii_Neshcherenskyi – Shutterstock

No entanto, pode ser uma longa espera. O primeiro avistamento de uma exolua, feito há quatro anos, ainda aguarda confirmação, e a verificação deste novo candidato pode ser igualmente longa e controversa.

publicidade

Publicada na Nature Astronomy, a pesquisa foi liderada por David Kipping e seu Laboratório Cool Worlds, na Universidade de Columbia, em Nova York, nos EUA, que relatou o primeiro candidato a exolua em 2018.

Exoluas são mais difíceis de serem detectadas

“Os astrônomos encontraram mais de 10 mil candidatos a exoplanetas até agora, mas as exoluas são muito mais desafiadoras”, disse Kipping, que passou a última década caçando luas alienígenas. “Elas são território incógnito”.

A equipe avistou o candidato a exolua gigante orbitando o planeta Kepler 1708b, um mundo a 5.500 anos-luz da Terra na direção das constelações de Cygna e Lyra. Esse novo candidato é cerca de um terço menor do que a lua do tamanho de Netuno que Kipping e seus colegas encontraram anteriormente orbitando um planeta semelhante do tamanho de Júpiter, o Kepler 1625b.

“Ambos os candidatos a superlua são provavelmente feitos de gás que se amontoou sob a atração gravitacional causada por seu enorme tamanho”, disse Kipping. Se a hipótese do astrônomo estiver correta, as luas podem até ter começado a vida como planetas, apenas para serem puxadas para a órbita de um planeta ainda maior como Kepler 1625b ou 1708b.

Ambas estão localizadas longe de sua estrela hospedeira, onde há menos gravidade para rebocar planetas e tirar seus satélites. Na verdade, os pesquisadores procuraram planetas gasosos frios e gigantes em órbitas largas em sua busca por exoluas precisamente porque os análogos em nosso próprio sistema solar, Júpiter e Saturno, têm mais de cem luas entre eles.

“Se outras luas existirem lá fora, elas provavelmente serão menos monstruosas, mas também mais difíceis de detectar”, disse Kipping. “As primeiras detecções em qualquer pesquisa geralmente são as esquisitas”, disse ele. “Os grandes que são simplesmente mais fáceis de detectar com nossa sensibilidade limitada”.

Leia mais:

De acordo com o site Phys, as exoluas fascinam os astrônomos pelas mesmas razões que os exoplanetas. Eles têm o potencial de revelar como e onde a vida pode ter surgido no universo. Eles também são curiosidades por si só, e os astrônomos querem saber como essas luas externas se formam, se elas podem sustentar a vida, e que papel, se houver, desempenham em tornar seus planetas hospedeiros habitáveis.

No estudo, os pesquisadores analisaram a amostra dos planetas gigantes gasosos mais frios capturados pelo Kepler, o telescópio caçador de planetas da Nasa. Depois de escanear 70 planetas em profundidade, eles encontraram apenas um candidato — Kepler 1708b — com um sinal semelhante a uma lua. 

Observações de outros telescópios espaciais, como o Hubble, serão necessárias para verificar a descoberta, um processo que pode levar anos.

Exoplanetas revolucionaram o entendimento sobre a formação dos sistemas estelares

Eric Agol, professor de astronomia da Universidade de Washington, disse que tem dúvidas de que este último sinal seja real. “Pode ser apenas uma flutuação nos dados, seja devido à estrela ou ao ruído nos instrumentos”, disse ele.

Outros parecem mais otimistas. “Esta é a ciência no seu melhor”, disse Michael Hippke, astrônomo independente na Alemanha. “Encontramos um objeto intrigante, fazemos uma previsão e confirmamos o candidato a exolua ou o descartamos com observações futuras”.

“Estou muito animado em ver um segundo candidato a exolua, embora seja lamentável que apenas dois trânsitos tenham sido observados”, acrescentou. “Mais dados seriam muito legais”.

Detectar uma lua ou mesmo um planeta a centenas de milhares de anos-luz da Terra não é nada simples. Luas e planetas só podem ser observados indiretamente à medida que passam na frente de suas estrelas hospedeiras, fazendo com que a luz da estrela diminua intermitentemente. 

Pegar um desses sinais de trânsito fugazes com um telescópio é complicado, assim como interpretar os dados da curva luminosa. As luas são ainda mais difíceis de detectar porque são menores e bloqueiam menos luz.

“Mas a busca vale a pena”, disse Kipping, ao lembrar como a existência de exoplanetas foi recebida com o mesmo ceticismo que as exoluas de hoje. “Esses planetas são alienígenas em comparação com nosso sistema doméstico”, disse ele. “Mas eles revolucionaram nossa compreensão de como os sistemas planetários se formam”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!