Com as tarifas de energia elétrica cada vez mais elevadas no Brasil, uma parcela da população procura por uma solução que ajude a diminuir o impacto da conta de luz no orçamento. Uma delas é a energia solar. Entenda quais são as vantagens de apostar na ideia. 

De início, talvez a principal vantagem de utilizar a energia solar no Brasil seja o potencial de geração dessa modalidade de energia por aqui. Entretanto, muitos ainda desconhecem como um sistema funciona. A boa notícia é que além de trazer benefícios ao bolso é tudo bem mais simples do que parece.

publicidade

Quanto o consumidor pode economizar?

A energia solar é um dos sistemas que pode ajudar a diminuir significativamente os gastos com energia elétrica. Para Rafael Amaral Shayani, professor do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade de Brasília (UnB), ao investir uma média de R$ 12 a R$ 15 mil na tecnologia, o usuário pode reduzir em até 90% o valor da conta de luz no longo prazo.

Apesar de o valor de partida ser alto, o engenheiro aponta que todo o investimento é recuperado em cerca de cinco anos, ao passo que um sistema de placas solares dura muito mais que isso, de 20 a 25 anos.

Passados os cinco anos, a pessoa paga apenas a parcela mínima na conta de luz, a chamada tarifa de disponibilidade do serviço, ressalta o especialista. 

O que o Brasil e o mundo ganham com a energia solar?

Além dos benefícios citados até aqui, a energia solar também pode ajudar o Brasil a contornar outro problema: o crescimento em demanda de energia por parte da indústria e do aumento populacional. Até 2050, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o país deve triplicar o consumo de eletricidade.

Já para o planeta, como a energia é gerada literalmente por placas no telhado de uma casa, o processo despensa a queima de gases para gerar eletricidade, reduzindo a necessidade de construir mais hidrelétricas e usinas de carvão ou gás para a geração de energia, o que também reduz as emissões de gases de efeito estufa.

“Quanto mais pessoas a adotarem (energia solar), mais energia o país produzirá, e menos energias fósseis precisarão ser usadas”, avalia o professor.

Como funciona a energia solar?

Diagrama de funcionamento de um sistema de energia solar
Os sistemas podem até devolver parte da energia gerada para uma distribuidora local. Imagem: RosLobsos/Shutterstock

A energia solar é feita a partir do silício. A substância mais abundante na Terra depois do oxigênio (a crosta terrestre também é composta de silício) também é utilizada nos painéis solares, explica o professor. Quando a luz solar incide sobre as placas, um elétron “pula”, gerando energia. “Essa corrente elétrica sai do telhado e entra nos equipamentos, energizando a casa”, complementa o especialista.

Conforme a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), já são quase 776 mil sistemas capazes de gerar e até devolver parte da energia para as distribuidoras (tenha em mente que é necessário ter um inversor além dos painéis solares, já que a energia solar gera tensão contínua e as tomadas usam energia alternada).

Nesse caso específico, o sistema funciona conectado à rede elétrica, ou seja, as placas no telhado são interligadas ao mesmo disjuntor que recebe eletricidade da companhia. 

Uma vantagem, segundo a Aneel, é que esse sistema é mais barato que os outros que dependem de um conjunto de baterias para armazenar energia.

E nos dias nublados?

Uma solução para evitar a queda de luz nos dias seguidos de tempo fechado é justamente interligar as placas a mesma rede de energia que chega até a residência. Ainda assim, o consumo no fim será muito menor, já que essa energia gasta no período da noite ou em dias nublados será “paga” nos dias de sol.

No fim do mês, se a energia gerada for igual à recebida nos períodos sem o aproveitamento da luz solar, o relógio que marca o consumo ficará “zerado”.

Por que alguns sistemas utilizam baterias?

Em geral, os sistemas que usam baterias são voltados para instalação em regiões mais isoladas, onde não há qualquer fornecimento de energia por companhias elétricas. 

Uma desvantagem é que além de mais caro, as baterias têm vida útil mais curta que as placas e precisarão ser trocadas a cada três ou quatro anos. 

Leia mais:

Legislação

A legislação da Aneel abrange quatro possibilidades de geração e distribuição de energia solar no Brasil:

  • A primeira, e mais tradicional, é a geração na casa do consumidor, ou seja, quando a pessoa instala as placas no seu próprio telhado;
  • A segunda é o ‘autoconsumo remoto’. Caso tenha duas residências no mesmo estado, é possível colocar energia solar no telhado de uma delas e a energia gerada compensar o consumo da outra residência, por exemplo;
  • Já a modalidade de ‘múltiplas unidades consumidoras’ se dá quando as placas são instaladas para abastecer uma área comum (como condomínios, por exemplo). Nesses casos, a energia pode ser divida entre as unidades que fizeram o investimento no sistema.
  • A quarta é a ‘geração compartilhada’. Um exemplo, segundo o engenheiro Rafael Amaral, seria “uma usina maior à qual as pessoas podem se associar” e receber a energia solar sem necessariamente investirem em um sistema próprio.

Quanto custa instalar um sistema de energia solar?

O investimento inicial, apesar de não ser baixo, também depende de alguns fatores. O primeiro é: quanto uma casa consome de energia? Para responder à pergunta, basta calcular uma média mensal consultando os números na fatura de energia.

O consumo típico de uma residência brasileira fica em torno de 10 quilowatts-hora diários. “Normalmente, temos cinco horas de sol forte por dia. Considerando essa média como referência, precisamos então de um sistema de energia solar de mais ou menos 2 kw”, afirma o professor.

Já o preço do equipamento vai depender diretamente da cotação do dólar. Atualmente, como dito antes pelo professor, um sistema de energia solar custa em torno de R$ 12 mil, um investimento recuperado já nos primeiros cinco anos de uso.

Também é preciso considerar a incidência de luz solar na região. A boa notícia é que, segundo o especialista, o local com menos sol no Brasil ainda supera a Alemanha inteira, um dos líderes no mundo quando o assunto é energia solar. “Se você mora em um local com muito sol, seu sistema de geração pode ser menor”, diz o especialista.

Por fim, vale ressaltar que todo o equipamento deve ser instalado por uma empresa especializada e registrada no Conselho de Engenharia, uma maneira encontrada para comprovar que uma instalação é segura e atende às regras de segurança. Ficou interessado? O primeiro passo é pesquisar e entrar em contato com uma empresa de equipamentos de energia solar na sua região para solicitar um orçamento, já são milhares atuando no ramo no Brasil.

Com informações da Agência Brasil.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!