Pode até parecer simples, mas uma boa noite de sono exige alguns requisitos. Durante o sono, nosso cérebro continua a monitorar o ambiente, equilibrando assim, a necessidade de proteger a qualidade do sono com a necessidade de acordar. 

De acordo com uma nova pesquisa publicada no JNeurosci, um exemplo de como o cérebro consegue isso é respondendo seletivamente a vozes desconhecidas em vez de vozes familiares.

publicidade

Os pesquisadores da Universidade de Salzburg mediram a atividade cerebral de adultos em resposta a vozes familiares e desconhecidas enquanto dormiam. As vozes desconhecidas provocaram mais complexos K, que é um tipo de onda no cérebro ligada a perturbações sensoriais durante o sono, em comparação com vozes familiares.

Por mais que as vozes familiares também possam desencadear complexos K, somente aquelas desencadeadas por vozes desconhecidas são acompanhadas por mudanças em grande escala na atividade cerebral ligadas ao processamento sensorial.

As respostas cerebrais à voz desconhecida aconteceram em menor frequência à medida que a noite avançava e a voz se tornava mais familiar, passando a mensagem para o cérebro que ainda pode aprender durante o sono. Esses resultados sugerem que os complexos K permitem que o cérebro entre em um “modo de processamento sentinela”, ou seja, onde permanecemos adormecidos e com a capacidade de responder a estímulos relevantes.

Leia mais:

Fonte: Medical Express

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!