Nesta semana, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que os casos de Covid-19 longa, onde os sintomas se prolongam por até três meses após a infecção, estão aumentando durante a atual onda de contaminação causada pela variante Ômicron.  

De acordo com a instituição de saúde, a cada cinco infectados pelo SARS-CoV-2, pelo menos um apresenta a Covid-19 longa. Médicos e cientistas relatam que os efeitos dessa infecção prolongada ainda são incertos.   

publicidade

Leia também!

Os sintomas mais comuns nos pacientes do quadro de longa duração envolvem fadiga, confusão mental, falta de ar, ansiedade e outros problemas. Acredita-se que a forma longa seja comum em pessoas que foram hospitalizadas.  

publicidade

Apesar do diagnóstico estar mais presente em diversos locais do mundo, cientistas e pesquisadores ainda não podem afirmar quais os motivos que levam alguns pacientes a desenvolverem a Covid-19 longa e se realmente a variante Ômicron possui influência nisso.  

A co-diretora de uma das clínicas de Covid-19 longa da Universidade de Stanford, Linda Geng, ressaltou que é necessário ter muita cautela e se preparar para tratar a condição, pois é provável que haja uma nova onda de pacientes.  

publicidade
Infecção pela variante Ômicron é responsável pela Covid-19 longa? Imagem: Evgenia.B – Shutterstock

Cientistas da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, estão procurando entender quais os efeitos da vacina em pessoas que desenvolvem a infecção por SARS-CoV-2 de maneira longa e se o imunizante é capaz de prevenir o quadro.

A Prefeitura de São Paulo informou que acompanhou 27,2 mil pacientes que passaram por hospitalização em decorrência da Covid-19. Acredita-se que quanto maior o período de internação, maior é o risco de adquirir sequelas. 

publicidade

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!