A transferência de dados do Facebook entre União Europeia e Estados Unidos está na mira do órgão de fiscalização da Irlanda. Uma consulta com reguladores de outros países prevista para abril poderá prejudicar os negócios transatlânticos da empresa de Mark Zuckerberg. Em 2020, o Tribunal de Justiça Europeu anulou o acordo do Escudo de Proteção da Privacidade, celebrado com os EUA, citando preocupações de vigilância. 

Após esse episódio, a Comissão de Proteção de Dados da Irlanda emitiu uma ordem provisória proibindo a transferência de dados, mas o Facebook contestou e conseguiu congelar a decisão no Supremo Tribunal irlandês.  

publicidade

Consequências devastadoras 

Segundo o Facebook, caso ocorra uma paralisação na transferência de dados, as consequências serão devastadoras e irreversíveis para os negócios, tendo em vista que eles dependem do processamento de dados de usuários para veicular anúncios online direcionados. 

Além do Facebook, outras empresas também podem sofrer interrupções, de acordo com o órgão regulador da União Europeia conhecido como DPC. 

publicidade
bilionário australiano
Caso a transferência de dados entre União Europeia e Estados Unidos seja impedida de acontecer, as consequências poderão ser catastróficas para os negócios, analisa porta-voz da Meta. Imagem: Shutterstock

Leia mais:

Prazo curto para o Facebook

Agora, a Meta Platforms, proprietária do Facebook, tem 28 dias para se defender. 

publicidade

Segundo um porta-voz da Meta, a suspensão na transferência de dados “seria prejudicial não apenas para milhões de pessoas, instituições de caridade e empresas na UE que usam nossos serviços, mas também para milhares de outras empresas que dependem de transferências de dados UE-EUA para fornecer um serviço global”.  

“É necessária uma solução de longo prazo nas transferências de dados UE-EUA para manter as pessoas, empresas e economias conectadas”, informou a Meta.  

publicidade

Inclusive, a Meta já ameaçou retirar tanto o Facebook quanto o Instagram da Europa justamente por essas restrições no compartilhamento dos dados. 

Via: Reuters

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!