Uma tendência contraditória está sendo vivenciada por varejistas nos Estados Unidos: quanto mais a publicidade digital aumenta, mais comerciantes estão optando por abrir lojas físicas ou alugando espaços de curto prazo em outros estabelecimentos. Algumas marcas grandes com tradição no online, como Warby Parker e Allbirds, expandiram-se para o físico e, agora, muitas menores estão seguindo o mesmo caminho. 

Como a pandemia influenciou na queda no valor dos aluguéis, as empresas menores também estão fazendo essas experiências. Os empresários são motivados por vários fatores. E um deles é exatamente o investimento em vários canais tanto online quanto offline.  

publicidade

Custos altos

Os custos na aquisição de clientes na web também estão sendo um fator negativo, variando entre US$ 100 e US$ 800 por pessoa

Além disso, as mudanças no sistema operacional da Apple para seus dispositivos móveis dificultam o envio de anúncios direcionados a clientes em potencial. O Google também anunciou recentemente um trabalho nas configurações de privacidade no sistema operacional Android, sendo mais um fator negativo.  

Fora os arrendamentos mais curtos, alguns proprietários estão oferecendo subsídios de melhoria mais generosos para os inquilinos. E tomar uma porcentagem da receita da loja em vez de um aluguel fixo, embora não seja uma estratégia nova, tornou-se mais comum.

loja física EUA
Muitas lojas que nasceram no digital estão fazendo experiências no offline, sendo uma nova tendência para captar clientes nos Estados Unidos. Imagem: Shutterstock

Alguns varejistas alugam seus espaços diretamente, mas outros optaram por uma abordagem diferente. Na Bleecker Street, em Greenwich Village, onde a Another Tomorrow tem sua loja, várias outras marcas nativas digitais se alinham nas ruas, incluindo Mack Weldon, Goodlife Clothing e Brooklinen. 

Leia mais:

Varejo como serviço

Essas empresas contaram com a Leap, uma das várias startups que operam no modelo “varejo como serviço”, oferecendo ajuda na locação e expansão de lojas e coleta de dados sobre os compradores. 

A Leap aluga locais em clusters e depois os subloca para varejistas, disse Jared Golden, cofundador e co-executivo da Leap.

Por sua vez, as marcas pagam uma taxa que cobre aluguel, mão de obra e seguro, além de uma taxa percentual com base nas vendas da loja. No final de 2021, a empresa tinha cerca de 50 lojas no Arizona, Califórnia, Flórida, Illinois, Nova York e Texas.

Além disso, algumas empresas, como Showfields e Neighborhood Goods, oferecem espaço dentro de uma loja maior para marcas menores por um curto período de tempo.

O compromisso de curto prazo, que pode durar de alguns meses a um ano, ajuda a captar mais clientes. Portanto, trata-se de uma inovação com foco no aumento das vendas, fazendo a transição do online para o físico e vice-versa. 

Via: The New York Times

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!