A partir do dia 1º de abril, na próxima sexta-feira, os remédios devem ficar mais caros em todo o Brasil. Na data entra em vigor a autorização para reajuste dos medicamentos pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). 

Ainda não se sabe qual o percentual de reajuste, mas espera-se que ele fique em torno de 10%, valor aproximado da inflação registrada em 2021, que foi de 10,06%. A CMED é um órgão vinculado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e é responsável por controlar o reajuste nos medicamentos.  

publicidade

Leia também!

O Comitê Técnico-Executivo da CMED anunciou no começo de 2021 que faria o reajuste nos valores do remédio com base no fator de produtividade (Fator X) e no fator de ajuste de preços relativos intrassetor (Fator Z) e ambos seriam definidos em zero para compor a fórmula do aumento.  

publicidade

O Fator X é estabelecido com uma estimativa dos ganhos futuros de produtividade da indústria farmacêutica. Já o Fator Z possui três níveis definidos pela base de concorrência do mercado.  

Ou seja, se um medicamento é vendido por apenas uma empresa, ele é registrado no nível 3, sofrendo um menor reajuste. Enquanto aqueles no nível 1, que são fabricados por diversas farmacêuticas, recebem um aumento maior.  

publicidade
Remédios
Remédios devem ficar mais caros nesta semana; entenda o reajuste. Imagem: juliano703/Shutterstock

Além disso, também é levado em consideração a inflação e o Fator Y, que considera o reajuste de preços relativo entre os setores. 

Em 2021, o aumento no valor dos remédios foi de até 10,08%, levando em consideração uma inflação de 4,52% no ano anterior. 

publicidade

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!