Um foguete Falcon 9 da SpaceX lançou nesta sexta-feira (1º) a missão Transporter 4, levando 40 satélites Starlink e alguns outros “caronas” para o espaço. O veículo decolou da Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, às 13h24, pelo horário de Brasília.

Falcon 9 decolando da Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, com um nanossatélite brasileiro a bordo. Imagem: SpaceX

No meio da carga transportada estava uma missão educacional e radioamadora chamada AlfaCrux, por meio da qual nanossatélite de comunicação desenvolvido por estudantes universitários.

De acordo com a Agência Brasil, o projeto é fruto de pesquisas de alunos de engenharia e professores da Universidade de Brasília (UnB) e tem o objetivo de testar e demonstrar na órbita da Terra experimentos de comunicação via satélite.

Além da UnB, a missão envolve o financiamento da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF), com participação da Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec) e o apoio institucional da Agência Espacial Brasileira (AEB).

publicidade
CubeSat de 1U (10cmx10cmx10cm) desenvolvido por alunos da UnB pode trazer novas soluções de enlaces nas faixas de frequências de rádio amador. Imagem: Laboratório de Simulação e Controle de Sistemas Aeroespaciais / UnB

Leia mais:

Segundo a líder substituta da Diretoria de Gestão de Portfólio da AEB, Fernanda Lins, o CubeSat de 1U (10cmx10cmx10cm) pode trazer novas soluções de enlaces nas faixas de frequências de rádio amador.

“A solução é importante para realidades como a do país, com um território muito extenso e que possui áreas remotas nas quais ainda não há uma infraestrutura sofisticada de comunicação. Além disso, é uma solução de baixo custo, tanto de desenvolvimento quanto de lançamento e operação’’, explicou Fernanda.

Ela disse que os dados coletados estarão disponíveis via internet e podem ser utilizados para pesquisas sobre a comunicação de radioamadores, comunidade que deve auxiliar o Laboratório de Simulação e Controle de Sistemas Aeroespaciais da UnB no monitoramento do CubeSat.

Para a diretora da AEB, além dos resultados científicos aguardados, a parceria entre o ambiente universitário e a indústria espacial é uma grande oportunidade de capacitação de estudantes em todo o ciclo de desenvolvimento de uma missão espacial.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!