Um caso raro foi publicado pela revista Neuropsychologia e está surpreendendo pesquisadores de todo o mundo. Uma mulher na casa dos 50 anos que nasceu sem o lobo temporal esquerdo, área do cérebro responsável pelo processamento da linguagem, conseguiu se tornar bilíngue.  

A paciente foi denominada como EG para proteger sua identidade. Ela descobriu em 1987 que tinha um cérebro atípico. Provavelmente ela teve um derrame quando ainda era um bebê.  

publicidade

Leia também!

O intuito da pesquisa realizada pela neurocientista cognitiva Evelina Fedorenko e sua equipe do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) era entender como o cérebro de EG reorganizou suas tarefas já que ele tinha perdido uma parte de sua massa.  

Os pesquisadores utilizaram uma ressonância magnética funcional para captar a atividade cerebral de EG enquanto ela realizava tarefas relacionas a linguagem, como ler frases. Foi possível concluir que sua capacidade linguística foi transferida para outra parte do cérebro.  

Cérebro. Imagem: Shutterstock/nepool
Mulher que nasceu sem parte do cérebro responsável pela linguagem é bilíngue. Imagem: Shutterstock

“Se você pode remover metade de um cérebro e funcionar bem, isso sugere que há muitas partes em nossos cérebros típicos que são dispensáveis”, afirmou Fedorenko.“Aparentemente, há muitas coisas em nosso cérebro que são totalmente redundantes, o que é – em termos de engenharia – uma maneira muito boa de construir um sistema.” 

O estudo ressaltou que estes casos tendem a se fortificar quando o incidente foi na infância, como no caso de EG, pois neste período a capacidade do sistema nervoso de se adaptar é mais forte e mais rápida. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!