A pandemia da Covid-19, desde seu início, em março de 2020, fez com que o comércio virtual, chamado e-commerce, ganhasse bastante espaço no Brasil e no mundo. Em terras tupiniquins, a expectativa é de que o varejo online cresça ainda mais, com um aumento de 56% até o ano de 2024, mesmo com a reabertura das lojas físicas.

“Como a conveniência sempre foi um dos principais impulsionadores do comércio eletrônico, é provável que muitos dos novos usuários continuem pedindo pelo menos alguns produtos online, mesmo com a reabertura do comércio”, explicou William Oliveira, especialista em marketing digital e CEO da Invictus Joias.

publicidade

Leia mais:

Uma pesquisa realizada pela Mundi Map e E-commerce Brasil mostrou que, em 2021, o comércio online foi responsável por 58% das vendas dos lojistas. Assim, se tornou essencial oferecer serviços e produtos pela internet ao consumidor.

A título de comparação, o faturamento do mês de agosto de 2021 do e-commerce no Brasil foi 20,04% maior que o mesmo período de 2020, segundo o índice MCC-ENET. É justamente o marcador que prevê o crescimento de 56% até o ano de 2024.

“Apesar da contínua expansão desde o início da pandemia, o e-commerce no Brasil tem que lidar com desafios para seguir crescendo. Um deles é a redução na renda que uma parte considerável da população vem sofrendo e essa é uma questão que afeta o varejo como um todo, na verdade”, emendou Oliveira.

Outro empecilho é a redução no poder de compra. Assim, os consumidores passam a consultar sites e comparar preços para economizar. “Isso pode ajudar o consumidor a encontrar a melhor opção pelo menor valor, através da listagem dos produtos, que incluem a marca e modelo com o melhor custo-benefício”, explicou o especialista.

mão segurando cartão de crédito
As compras online cresceram 41% em 2020. Imagem: Ivan Kruk/iStock

Por enquanto, a única desvantagem do e-commerce quanto ao varejo físico é a aquisição imediata. Mas, a pandemia também foi um momento para que a logística passasse por um processo de melhoria. “É o ponto crucial para o desenvolvimento do negócio. Investir em bons softwares de logística, ter um bom controle dos processos e automatização são algumas soluções que ajudam a encarar esse desafio e melhorar todo o sistema”, avaliou William Oliveira.

Por fim, o CEO da Invictus Joias comentou que o crescimento do e-commerce no Brasil deve seguir ainda pelo hábito adquirido pelo consumidor. “Temos um cenário no qual as vendas online e offline se complementam. O e-commerce ainda tem uma participação pequena, considerando a totalidade do varejo, mais essa rápida e contínua crescente é sinal de que esse mercado tenha ainda mais possibilidades de expansão”, finalizou.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!