A decisão de apreender US$ 725 milhões de contas bancárias ligadas à Xiaomi — quase R$ 3,7 bilhões na cotação atual — foi suspensa nesta quinta-feira (5) por um tribunal indiano. 

Segundo as informações da Reuters, a medida havia sido solicitada pela agência federal do país (a Directorate of Enforcement, ou Diretoria de Execução) por suspeitas de violações cambiais cometidas pela gigante chinesa.

publicidade
Justiça indiana suspende bloqueio em contas da Xiaomi
Xiaomi contestou a decisão e negou qualquer irregularidade. Imagem: viewimage/Shutterstock

As autoridades alegam que a empresa remeteu fundos ilegalmente “sob disfarce de royalties” para três entidades estrangeiras, incluindo uma que pertence ao próprio grupo Xiaomi. O ex-CEO da Xiaomi na Índia, Manu Kumar Jain, chegou a ser questionado como parte da investigação.

Posicionamento da Xiaomi

Em resposta, a companhia contestou a decisão e negou qualquer irregularidade em suas operações financeiras na Índia, declarando que os pagamentos de royalties são “legítimos e verdadeiros”. 

Após ouvir os advogados da empresa, um juiz optou por suspender a decisão imposta pela Diretoria de Execução na semana passada. Entretanto, com uma condição: a fabricante de eletrônicos deve conceder mais informações às autoridades indianas, incluindo relatórios de transferências de fundos e também dados referentes ao pagamento de royalties.

Por fim, segundo as informações da Justiça indiana, o caso será revisto pelas autoridades já na próxima quinta-feira, 12 de maio.

Via: Reuters

Leia mais:

Receita da empresa cresceu mais de 20% no quarto trimestre

Com 24% de participação no mercado de smartphones na Índia no ano passado, segundo um levantamento da Counterpoint Research, a Xiaomi divulgou recentemente o seu balanço fiscal referente ao quarto trimestre de 2021. 

Em receita, o crescimento foi de 21,4%, acima do esperado pelos analistas de mercado. “Em 2021, passamos por uma situação muito complexa. A oferta está em uma posição muito severa ou apertada, e há um impacto geopolítico. No entanto, o desempenho da Xiaomi mostrou que somos uma empresa resiliente”, disse o presidente da companhia, Wang Xiang, em uma teleconferência. 

Mesmo diante da escassez de chips e dos efeitos negativos da pandemia, foram vendidos 44,1 milhões de aparelhos no quarto trimestre do ano passado, um crescimento de 4,4% em comparação ao mesmo período de 2020.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!