Júpiter é o maior planeta do sistema solar e o quinto planeta a partir do Sol. O gigante gasoso apresenta belas camadas de nuvens em faixas, um conjunto de anéis finos e empoeirados, a famosa Grande Mancha Vermelha e dezenas de luas variadas. Mas você conhece mais detalhes deste planeta peculiar?

Por que Júpiter?

Sendo o quarto objeto mais brilhante no céu da Terra, (depois do sol, da Lua e de Vênus) Júpiter é conhecido desde os tempos antigos. Nosso nome moderno para o planeta é derivado do rei romano dos deuses, Júpiter.

publicidade

Para os antigos gregos, Júpiter era conhecido como Phaethon, que significa “estrela ardente”, enquanto os babilônios se referiam ao planeta gigante como Marduk, a divindade padroeira da cidade de Babilônia. Outros nomes antigos para Júpiter incluem Brhaspati (sânscrito), Tzedek (hebraico), Muxing (que significa “Estrela da Madeira” em mandarim) e Mushtari (árabe).

Do que é feito?

Júpiter é duas vezes e meio mais massivo do que todos os outros planetas do sistema solar combinados e é composto principalmente de hidrogênio e hélio, de acordo com o Observatório Europeu do Sul. O gigante gasoso tem um diâmetro de 142.984 quilômetros, tornando-o 11 vezes maior que a Terra, segundo a NASA.

Júpiter não tem superfície real, de acordo com a agência; o planeta é apenas uma mistura rodopiante de gases fluindo em três camadas distintas em suas bordas externas. Acredita-se que esta região tenha aproximadamente 71 km, onde a camada superior é provavelmente feita de gelo de amônia, a camada intermediária é provavelmente feita de cristais de hidrossulfeto de amônio e a camada mais interna pode ser feita de gelo de água e vapor.

As cores brilhantes vistas na superfície externa de Júpiter são provavelmente plumas de gases contendo enxofre e fósforo que se elevam do interior mais quente do planeta. Como ele gira extremamente rápido, completando um único dia em menos de 10 horas, sua atmosfera externa é separada em longos cinturões de material mais brilhante e mais escuro.

Dados da Juno mostraram que as correntes de jato de Júpiter podem atingir profundidades de cerca de 3.200 km. Mais profundamente na atmosfera, pressões e temperaturas crescentes comprimem o gás hidrogênio em um líquido, o que significa que Júpiter tem o maior oceano do sistema solar, feito de hidrogênio em vez de água, de acordo com a NASA.

Esta imagem da icônica Grande Mancha Vermelha de Júpiter e das zonas turbulentas circundantes foi capturada pela espaçonave Juno da NASA enquanto realizava seu 12º sobrevoo próximo a Júpiter. ( NASA/JPL-Caltech/SwRI/MS)

Em algum lugar a meio caminho do centro do gigante gasoso, as pressões internas tornam-se tão grandes que os elétrons são espremidos de seus átomos de hidrogênio, criando um metal supercondutor que supostamente impulsiona o enorme campo magnético de Júpiter. O planeta pode ter um núcleo central de material sólido ou uma “sopa” espessa e densa, feita principalmente de ferro e silício, que pode chegar a cerca de 50.000 graus Celsius.

Qual a distância entre Júpiter e o Sol?

Júpiter orbita a uma distância média de 778 milhões de km do Sol, de acordo com a NASA. Um ano em Júpiter dura 11,86 anos terrestres.

O planeta tem o dia mais curto do sistema solar, com duração de 9,93 horas. Seu eixo central é inclinado apenas 3 graus, ao contrário da inclinação axial da Terra de 23 graus, o que significa que Júpiter não experimenta muita variação sazonal ao longo do ano.

Os humanos exploram Júpiter?

Uma das primeiras pessoas a fazer observações detalhadas de Júpiter foi o astrônomo italiano Galileu Galilei, que contemplou o planeta através de seu telescópio em 1610, vendo suas quatro maiores luas. Nos tempos modernos, os humanos lançaram muitas sondas que passaram ou orbitaram o gigante gasoso.

As espaçonaves Pioneer 10 e 11, lançadas em março de 1972 e abril de 1973, respectivamente, estudaram o cinturão de asteroides e passaram por Júpiter, coletando informações sobre seus intensos cinturões de radiação e tirando algumas fotos iniciais.

Já as sondas Voyager 1 e 2, que deixaram a Terra em 1977 e chegaram a Júpiter em 1979, obtiveram dados surpreendentes do planeta gigante. Os robôs descobriram o sistema de anéis fraco e empoeirado de Júpiter, a presença de atividade vulcânica em sua lua Io e algumas luas anteriormente desconhecidas.

Implantação da NASA Galileo e do IUS do compartimento de carga do STS-34 Atlantis em 18 de outubro de 1989.(Crédito da imagem: NASA/JPL/KSC)

A NASA lançou uma missão dedicada a Júpiter chamada Galileo, que chegou e começou a orbitar o enorme planeta em dezembro de 1995. Galileo estudou Io e a lua gelada de Júpiter Europa em profundidade e lançou uma sonda que caiu na atmosfera de Júpiter, obtendo dados sobre coisas como temperatura, velocidade e pressão do vento no planeta.

A mais recente espaçonave dedicada a Júpiter da agência é chamada Juno, que está em órbita desde julho de 2016. Juno passa pelas regiões polares do planeta a cada 53,5 dias e estudou sua poderosa magnetosfera e auroras brilhantes desde então.

Leia mais:

A NASA está construindo uma sonda chamada Europa Clipper para estudar a lua gelada e seu oceano subterrâneo, que muitos cientistas acham que poderia ser uma morada potencial para a vida, de acordo com a NASA. Além disso, a missão Jupiter Icy Moons Explorer (JUICE), da Agência Espacial Europeia (ESA), explorará Europa, bem como duas outras grandes luas de Júpiter: Ganimedes e Calisto.

Quantas luas tem Júpiter?

Atualmente, existem 53 luas nomeadas de Júpiter, com mais 26 luas aguardando nomes oficiais. A maior lua de Júpiter, Ganimedes, também é a maior lua do sistema solar, sendo maior que o planeta Mercúrio.

Os outros satélites galileanos – nomeados em homenagem ao seu descobridor – também são mundos gigantescos com suas próprias surpresas interessantes. Calisto é um dos objetos mais cheios de crateras do sistema solar e pode ter um oceano líquido sob sua espessa camada de gelo. Europa tem uma estrutura de gelo e oceano semelhante, mas sua concha externa congelada é muito mais fina, o que significa que é reciclada com mais frequência e possui menos crateras. Io, que é brilhantemente colorida, é o corpo mais vulcanicamente ativo no sistema solar.

Poderia haver vida em Júpiter?

A maioria dos pesquisadores hoje em dia não tem muita esperança de organismos vivos flutuando no gigante gasoso. A NASA considera a lua de Júpiter Europa, que é coberta por uma concha de gelo que envolve um enorme corpo de água líquida, um dos lugares mais prováveis ​​para encontrar vida extraterrestre no sistema solar.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!