Você já deve ter pensado alguma vez sobre a possibilidade de existir água em outros planetas, e agora, descobriram que antigos vulcões na Lua podem ter formado lençóis congelados de centenas de metros de espessura. O que faz com que haja reservas de água para os astronautas que estiverem em missões por lá.

As descobertas são de um estudo de pesquisadores da Universidade do Colorado e os resultados foram publicados na revista ‘The Planetary Science Journal’. Eles acreditam que grande parte do gelo vulcânico ainda pode existir, isso porque há bilhões de anos, a superfície lunar foi coberta por uma lava quente liberada por várias erupções vulcânicas.

publicidade

Leia mais:

Com o passar do tempo, a lava esfriou e criou formações escuras que vemos hoje. Para entender melhor, os autores trabalharam com simulações para recriar as condições da Lua em um passado remoto, ou seja, antes mesmo do surgimento de vida complexa na Terra.

Os pesquisadores descobriram que os antigos vulcões lunares expeliram grandes quantidades de vapor d’água, que formaram reservas de gelo ao se acomodaram na superfície. O grupo estimou quase 41% da água pode ter se condensado, formado gelo e estar escondido em crateras lunares. “É possível que, a 5 ou 10 metros abaixo da superfície, existam grandes lençóis de gelo”, explicou Paul Hayne, coautor do estudo.

Distribuição da água nos polos sul e norte da Lua, o gelo é o que aparece em azul
Imagem: Reprodução/NASA

Outros estudos já apresentaram evidências de uma quantidade maior de água na Lua e anteriormente, um trabalho também de Hayne previu ter milhares de quilômetros quadrados na superfície capaz de reter e conservar o gelo. A quantidade formada pode ser tão grande que poderia ser possível ver calotas polares da Terra, caso já existissem humanos nesse período.

Para se ter uma dimensão melhor, a quantidade de água vulcânica que se condensou como gelo no período pode ser maior que aquela do lago Michigan, nos Estados Unidos, com volume acima de 4.500 km³ de água, de acordo com os pesquisadores.

“Precisamos realmente perfurar e procurar este gelo”, disse Andrew Wilcoski, autor principal do estudo. Para ele, é provável que parte da água lunar ainda exista, só que congelada. A maioria do gelo pode ter se acumulado perto dos pólos da Lua, sob alguns metros da poeira lunar (também chamada de regolito).

Os autores afiram que um dos próximos passos é que astronautas ou até robôs viagem até a Lua para iniciar as buscas.

Fonte: The Planetary Science Journal e Phys.org

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!