Uma testemunha de Amber Heard afirmou que Jason Momoa foi “inflexível” ao impedir que a atriz fosse substituída em “Aquaman 2“.

A testemunha em questão, levada por Heard, é Kathryn Arnold, especialista na Indústria do Entretenimento. O depoimento em questão aconteceu em meio ao processo de difamação movido pela atriz contra seu ex-marido, o também ator Johnny Depp. A atriz pede US$ 100 milhões pela “campanha de difamação” que Heard afirma que Depp orquestrou contra ela.

publicidade
Amber Heard e Johnny Depp, ex-casal que agora vive batalha judicial. Imagem: Shutterstock

Arnold afirmou que “Aquaman” foi o nascimento de Heard como uma estrela de Hollywood. “Foi naquele momento onde não apenas ela era uma boa atriz, mas ela agora era renomada mundialmente porque ela estava em um dos filmes de maior sucesso… certamente para a DC Comics. Foi apenas este momento extraordinário para ela, para sua carreira decolar”.

Ao ser perguntada sobre como a carreira de Heard foi impactada após os comentários de Depp e de seu advogado, Adam Waldman, Arnold respondeu: “No público, tem sido muito negativo. Na indústria, eles gostam do trabalho dela mas não podem trabalhar com ela agora. Porque toda vez que o nome dela é mencionado, a negatividade se inflama novamente.”

Quanto a “Aquaman 2”, Arnold citou a campanha feita por fãs para substituir a atriz do papel de Mera, protagonista ao lado de Jason Momoa. “A campanha nas mídias sociais para remover Amber de ‘Aquaman’ tendia a usar palavras de dentro dos anúncios difamatórios.”

Além disso, ela mencionou que Amber Heard só retornou no papel de Mera para “Aquaman 2” porque Jason Momoa e o diretor James Wan foram inflexíveis quanto a Heard reprisar seu papel na sequência.

O outro lado da história

O presidente da DC Films afirmou que a Warner Bros. de fato considerou substituir a atriz Amber Heard do papel de Mera em “Aquaman 2”, mas não pelas repercussão negativa que ronda a atriz.

Walter Hamada, chefe da unidade da DC da companhia, testemunhou que de fato a Warner Bros. havia considerado fazer uma troca no papel de Mera, mas que as alegações não tiveram qualquer papel nesta decisão. Hamada afirmou que o estúdio demorou a seguir com Heard no papel por diversas semanas enquanto considerava se fazia ou não uma troca.

“Eles não tinham muita química juntos”, afirmou Hamada em relação a Heard e Jason Momoa. “Editorialmente eles foram capazes de fazer aquela relação funcionar no primeiro filme, mas havia uma preocupação de que isso tomou muito esforço para ser alcançado.”

Presidente da DC Films afirma que Amber Heard e Jason Momoa não possuem muita química em cena. Divulgação/Warner Bros.

Além disso, ele afirmou que a química foi criada em pós-produção, usando “magia dos filmes”, inclusive a trilha sonora. No entanto, ele disse não ser incomum que protagonistas não tenham química. “Você sabe quando vê, e a química não estava lá”.

Em “Aquaman 2”, Heard recebeu US$ 2 milhões, contra US$ 1 milhão do primeiro filme. Mas, apesar do aumento, o agente de Heard testemunhou que ela deveria ter sido capaz de renegociar para receber mais dinheiro, dado o sucesso global do primeiro filme.

Leia mais! 

No entanto, Hamada afirmou que ele vem pontuando sob sua liderança na DC Films que renegociações para sequências não aconteçam de forma automática. “Uma grande parte da nossa filosofia era que nós seguraríamos as pessoas em suas opções”.

No final das contas, Amber Heard permaneceu na sequência ao lado de Momoa. “Aquaman e o Reino Perdido” estreia dia 17 de março de 2023.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!