Um foguete chinês modelo Kuaizhou-1A enviou o satélite Tianxing-1 para órbita na terça-feira (21), seis meses depois de sofrer uma falha no lançamento de satélites Xingyun, dedicados à internet das coisas.

O veículo decolou às 23h08, pelo horário de Brasília – 10h08 da manhã de quarta-feira (22), pelo horário de Pequim – do Centro de Lançamento de Satélites Jiuquan, que fica no deserto de Gobi, norte da China.

Transmissão do lançamento feita pela CCTV, a maior rede de televisão da China.

Desenvolvido pelo Instituto de Mecânica da Academia Chinesa de Ciências (CAS), o satélite Tianxing-1 será usado para pesquisas do ambiente espacial e “outros experimentos de teste”, de acordo com o que autoridades espaciais declararam à mídia chinesa, sem especificar detalhes.

Leia mais:

publicidade

Este foi o 15º voo do foguete Kuaizhou-1A, que consiste em três estágios alimentados por combustíveis sólidos e um estágio superior de propelente líquido. Ele é capaz de transportar 200 kg de carga em uma órbita síncrona solar de até 700 km. O primeiro lançamento aconteceu em 2017, e o mais recente, que apresentou falha, em dezembro de 2021.

Ele é gerenciado pela Expace, braço da Corporação de Ciência e Indústria Aeroespacial da China (CASIC), gigante estatal de defesa e operação de mísseis. A CASIC é uma entidade separada da Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China (CASC), principal empreiteira espacial do país e operadora dos foguetes Long March.

Com essa missão, a China completou 20 lançamentos de foguetes em 2022. Somente a CASC vislumbra mais de 50 missões até o fim do ano, incluindo aquelas relacionadas à conclusão da estação espacial Tiangong.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!