Neste domingo (19), já manhã de segunda-feira (20) em Pequim, uma liga de instituições de ensino e pesquisa da China promoveu um seminário sobre Exploração do Espaço Profundo, no Fórum de Ciência e Tecnologia de Sobrevivência fora da Terra, evento em comemoração aos 120 anos de existência da Universidade de Nanjing. Durante a conferência, Sun Zezhou, designer-chefe da Tianwen-1, missão chinesa de pesquisa em Marte, afirmou que o país vai trazer amostras marcianas para a Terra antes dos EUA e da Europa.

Ilustração do rover chinês Zhurong em Marte
Lançada em julho de 2020, enviando um satélite e um rover (Zhurong, na foto) para Marte, Tianwen-1 foi a primeira missão interplanetária independente da China. Imagem: CNSA

Segundo Zezhou, as amostras que serão coletadas pelos próximos dois lançamentos da China ao Planeta Vermelho devem ser entregues à Terra em 2031, dois anos antes de uma missão conjunta da NASA com a Agência Espacial Europeia (ESA). A informação foi divulgada no Twitter por Yuqi Qian, doutorando do Instituto de Ciência Planetária da Escola de Ciências da Terra da Universidade de Geociências da China, em Wuhan.

publicidade

De acordo com Zezhou, a complexa missão de multi-lançamento, que terá uma arquitetura mais simples em comparação ao projeto NASA-ESA, vai decolar no fim de 2028.

Em março, a NASA anunciou planos para adiar a próxima fase de sua campanha Mars Sample Return e compartilhar a missão de lander Earth Return Orbiter (ERO) com a ESA em duas naves espaciais separadas para reduzir o risco total do programa. Segundo o planejamento, o ERO deve ser lançado em 2027, com retorno programado para 2033.

Saiba como será a missão da China que vai trazer amostras de Marte à Terra

Denominada Tianwen-3, a missão da China em Marte consistirá em duas combinações: um veículo de pouso e ascensão e um módulo orbital e de retorno. As combinações serão lançadas separadamente em foguetes Long March 5 e Long March 3B, respectivamente.

Segundo o site Space News, a missão será baseada nas tecnologias e nas técnicas de entrada, descida e pouso de Marte demonstradas pela Tianwen-1 em maio de 2021. A equipe também se inspirou na amostragem de regolitos, no acoplamento automatizado em órbita lunar e no sucesso da reentrada atmosférica de alta velocidade alcançado pela missão Chang’e-5, de 2020.

Pelo planejamento, o pouso em Marte ocorreria por volta de setembro de 2029, a partir de quando serão coletadas amostras da superfície do planeta, além da aplicação de técnicas de perfuração e amostragem inteligente móvel.

Leia mais:

O veículo de ascensão será composto por dois estágios, utilizando propulsão sólida ou líquida, e será necessário atingir uma velocidade de 4,5 quilômetros por segundo. Após o encontro e acoplamento com o orbitador de espera, a espaçonave partirá da órbita de Marte no final de outubro de 2030 para um retorno à Terra em julho de 2031.

Sun disse ainda que o satélite Tianwen-1 realizará um teste de aerofrenagem na órbita de Marte ainda este ano como parte da preparação da missão. 

Tendo em vista que o pouso deve ocorrer próximo ao equinócio de outono no hemisfério norte marciano, a missão certamente vai enfrentar dificuldades como tempestades de areia potenciais e baixa disponibilidade de energia solar.

Lançada em julho de 2020, enviando um orbitador e um rover para Marte, Tianwen-1 foi a primeira missão interplanetária independente da China. Já a Tianwen-2 será uma missão de amostragem de asteroides próximo à Terra, que também visitará um cometa do cinturão principal com lançamento programado para 2025.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!