Arqueólogos e estudantes da Universidade de Bournemouth, na Inglaterra, encontraram um conjunto de ossos de aproximadamente 2.120 anos em um assentamento da Idade do Ferro em Winterborne Kingston, no condado de Dorset, descoberto em setembro do ano passado. A ossada pertence a seres humanos e animais vítimas de sacrifícios, segundo os pesquisadores.

Um assentamento de mais de 2 mil anos recém-descoberto na Inglaterra revelou ossos de humanos e de animais. Imagem: Universidade de Bournemouth

Ao longo das últimas três semanas, uma equipe formada por 65 membros tem escavado o local. Durante esse tempo, eles descobriram os corpos de mulheres e homens, bem como partes de corpos de animais em poços originalmente usados para armazenar grãos.

publicidade

“Locais em Dorset no final da Idade do Ferro são únicos porque as comunidades aqui enterravam seus mortos em cemitérios definidos”, explicou o professor sênior de arqueologia pré-histórica da Universidade de Bournemouth, Miles Russell, arqueólogo que está liderando a escavação. “Em outros lugares do país, eles seriam cremados ou colocados em rios, mas ali parece que eles faziam as coisas de forma diferente”.

Segundo Russell, os corpos foram encontrados em posições agachadas em cavidades de forma oval, onde foram enterrados com pedaços de carne e tigelas de cerâmica que continham bebidas.

Esqueleto humano encontrado em um assentamento de mais de 2 mil anos recém-descoberto na Inglaterra. Imagem: Universidade de Bournemouth

O pesquisador disse que a descoberta de pessoas pré-históricas que viviam no local e itens de suas vidas cotidianas está fornecendo à equipe novas pistas sobre o estilo de vida da Idade do Ferro.

“Sabemos muito sobre a vida na Grã-Bretanha durante e após a invasão romana, porque muito foi escrito”, disse ele. “Mas, não temos nada escrito sobre antes, as respostas de como viviam vêm apenas do que encontramos no chão”.

Em particular, as últimas descobertas ajudarão os arqueólogos a entender mais sobre práticas religiosas nas comunidades na época.

Os restos dos animais encontrados no fundo das covas teriam servido de alimento por semanas para esse assentamento, mas também é provável que tenham sido usados em um sacrifício significativo para seus deuses. Em algumas covas, partes de animais foram colocadas sobre e junto com outros. 

Crânio, vértebras e ossos da mandíbula de uma vaca descobertos no local. Imagem: Universidade de Bournemouth

“Encontramos, por exemplo, a cabeça de uma vaca no corpo de uma ovelha”, revelou Russell. “Não sabemos por que eles teriam feito isso, que para nós é totalmente bizarro, mas também uma nova visão fascinante sobre seus sistemas de crenças”.

Leia mais:

O estudante de arqueologia Nathan Sue vem limpando e preservando os achados do assentamento, incluindo cerâmica, ossos de animais e joias. “Algumas das descobertas mais emocionantes que fizemos na escavação incluem um anel que encontramos no dedo de alguém em uma das covas. É uma liga de cobre, talvez bronze, e é bom descobrir que anéis dessa idade não são comuns”.

Havia também resquícios de carvão e sílex, uma rocha sedimentar silicatada, constituída de quartzo criptocristalino, além de indícios de que os seres humanos da época depositavam seu lixo no local. 

Russell disse que a escavação continuará por mais uma semana e que os ossos humanos serão analisados antes de eventualmente serem devolvidos ao solo. “A equipe continuará pesquisando e escaneando a área para mais atividades que poderiam revelar mais segredos sobre a vida na Grã-Bretanha pré-romana.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!