De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o tabagismo excessivo é responsável por 90% dos diagnósticos de câncer de pulmão no Brasil. A doença, que ocupa o primeiro lugar em mortalidade no mundo, atinge mais de 30 mil pessoas anualmente no Brasil e é considerada a mais letal, já que possui uma taxa de sobrevida que chega, em média, aos 18%. 

Como forma de conscientizar as pessoas da gravidade e relação da condição com o cigarro, foi criado o Dia Mundial do Combate ao Câncer de Pulmão, que é comemorado nesta segunda-feira (1°). O objetivo da data, identificada também como Agosto Branco, é mobilizar e reforçar os cuidados preventivos junto à população. 

publicidade
Câncer de pulmão: 90% dos diagnósticos estão relacionados ao fumo. Créditos: Shutterstock

“O principal fator de risco é o fumo, tanto ativo quanto passivo, sendo que o risco de ocorrência e de morte pela doença aumenta quanto maior a intensidade da exposição ao tabagismo”, explica o médico William Nassib Jr., diretor médico do Centro de Oncologia e Hematologia da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, hub de saúde de excelência e uma das principais referências no país para o tratamento da doença. 

Apenas 16% dos casos de câncer no pulmão são descobertos no estágio inicial. Dentre os sintomas mais frequentes estão: 

  • Tosse persistente 
  • Catarro com sangue 
  • Dor no peito 
  • Rouquidão 
  • Falta de ar 
  • Pneumonias repetidas 
  • Bronquite 
  • Perda de apetite e peso 

Leia mais! 

Exames de tomografia e raio-X são os métodos geralmente usados para diagnosticar o problema, além de biópsia para análise anatomopatológica. “Muitas vezes o câncer de pulmão se desenvolve sem dar sinais, sendo primordial que fumantes ou pessoas expostas ao fumo de forma passiva façam acompanhamento profissional regularmente, assegurando que o tumor seja detectado em fase inicial”, afirma o especialista. 

Qual o tratamento para câncer de pulmão? 

Em caso de tumores em fase inicial, a cirurgia é a abordagem terapêutica mais indicada. Quando o câncer atinge os linfonodos (gânglios linfáticos), o procedimento pode ser feito com radioterapia, quimioterapia e imunoterapia, com a administração de remédios que estimulam o próprio sistema imunológico do paciente. 

Câncer de pulmão: 90% dos diagnósticos estão relacionados ao fumo. Imagem: shutterstock/Stokkete

Já para os casos de metástases, ou seja, quando a doença já se espalhou para longe do seu ponto de origem, é necessário um tratamento sistêmico. 

“Existem três modalidades de tratamento para esses casos, que são a quimioterapia, imunoterapia e terapia-alvo, que utiliza uma classe de medicamentos responsável por agir sobre determinadas características moleculares dos tumores”, diz o médico. 

Cigarro eletrônico pode? 

Ainda de acordo com o INCA, o fumante brasileiro consome em média 17 cigarros convencionais por dia. Para quem decide optar pelos cigarros eletrônicos acreditando que será benéfico, está enganado. Segundo a Diretora do Ambulatório de Tratamento do Tabagismo do Instituto do Coração (InCor), Dra. Jaqueline Scholz, a taxa de nicotina do organismo pode alcançar o equivalente a mais de 20 cigarros tradicionais por dia para quem consome cigarros eletrônicos. Saiba mais aqui. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!