Poucas horas após a implantação da sonda Lucy, o dispositivo apontou anomalias durante a viagem para longe da Terra. Um dos painéis solares, projetados com a finalidade de fornecer energia para o instrumento, não foi totalmente aberto e a capacidade da sonda ficou comprometida.

Essa situação preocupou os cientistas porque o dispositivo estava se aproximando dos asteroides troianos, que dividem a órbita de Júpiter em torno do Sol. A NASA reuniu membros de diversos institutos e organizações para que fosse possível identificar o que impediu a abertura do painel. Segundo os investigadores uma das cordas projetadas para cumprir a função ficou enroscada no carretel.

publicidade

Leia mais:

Lucy é a primeira nave espacial movida a energia solar que está viajando em direção a um grupo de corpos rochosos localizado entre Marte e Júpiter. Antes de chegar ao seu destino, a sonda conduzirá três sobrevoos terrestres, nos quais prestará assistência gravitacional. Isso fará de Lucy o primeiro dispositivo a retornar às proximidades da Terra a partir do sistema solar exterior.

Como solucionar o problema com a sonda?

A equipe identificou duas formar de reparar a falha. Uma delas era forçar a corda através da atuação do motor de backup e do motor primário ao mesmo tempo. A outra era gerar e usar 90% da capacidade de energia esperada do painel.

Após alguns meses de simulação com as duas opções, a equipe decidiu por seguir o primeiro caminho. A aposta salvou a sonda de ser atingida pelos 8 asteroides e evitou um prejuízo de 990 milhões de dólares.

O principal investigador da missão Lucy, Hal Levison, elogiou a atuação da equipe na resolução do problema, “temos uma equipe incrivelmente talentosa, mas era importante dar-lhes tempo para descobrir o que aconteceu e como seguir em frente. Felizmente, a espaçonave estava onde deveria estar, funcionando nominalmente, e o mais importante é seguro. Tivemos tempo”.

Via: India Today

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!