Um pequeno ponto na superfície do Sol cresceu de forma acelerada no fim de semana e já alcançou o tamanho da Terra, potencialmente se tornando uma ameaça ao nosso planeta. Isso porque, por estar voltada para nossa direção, ao “arrebentar”, essa mancha sofrerá erupções que podem desencadear efeitos de menor ou maior gravidade na atmosfera terrestre.

Observadores do céu em altas latitudes e até mesmo astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS) já puderam testemunhar belas exibições de aurora produzidas pelas tempestades geomagnéticas causadas por essas erupções. Esses fenômenos luminosos são os efeitos mais simples provocados por tempestades de grau leve.

Leia mais:

E mais tempestades podem estar por vir, já que a mancha solar AR3085 não para de crescer. Ela é uma das seis regiões ativas atualmente observáveis no disco do Sol.

publicidade

No entanto, os cientistas não estão muito preocupados com isso, prevendo baixa atividade para as próximas 24 horas, com erupções solares sutis e ocasionais, que poderiam causar apenas apagões de rádio de curta duração, de acordo com a agência de meteorologia espacial britânica Met Office.

A mancha solar AR3085 está em rápido crescimento, tendo aumentado dez vezes de tamanho em apenas dois dias. Crédito: SDO/HMI

O escritório espera que a baixa atividade solar continue nos próximos quatro dias, com uma mínima chance de aumento para níveis moderados.

Um pequeno buraco coronal, como são chamadas as fendas nas linhas de campo magnético na atmosfera superior do Sol (a coroa), pode aumentar o fluxo de vento solar em direção à Terra, possivelmente levando a condições geomagnéticas turbulentas, o que pode tornar as auroras visíveis mais longe dos polos.

Segundo os especialistas do site Spaceweather.com, a mancha solar AR3085 aumentou de tamanho dez vezes nos últimos dois dias, o que elevam as chances de disparar partículas carregadas de radiação – ejeção de massa coronal (CME) – em direção à Terra. 

Atualmente, no entanto, nenhum alerta de CME foi emitido pelas agências de meteorologia espacial. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!