Explorando Marte desde fevereiro de 2021, o rover Perseverance, da NASA, já viveu muitas aventuras em busca por sinais de vida no Planeta Vermelho.

Agora, ele chegou a uma área na base da Cratera Jezero, seu local de pouso e investigação, de onde se espera que colete rochas de grão fino depositadas pela antiga água corrente que ali existia. Selados dentro dessas rochas sedimentares, acreditam os pesquisadores, podem estar moléculas orgânicas que representam evidências de vida passada.

publicidade
Uma imagem da região de Yori Pass, em Marte, feita pelo instrumento Hazcam, do rover Perseverance, em 5 de novembro de 2022. Imagem: NASA/JPL-Caltech

Há meses, os cientistas da NASA estão ansiosos para explorar a área, batizada de “Yori Pass”, localizada no antigo delta em forma de leque que se formou há cerca de 3,5 bilhões de anos na convergência de um rio marciano e um lago. 

Segundo o site Space.com, o local chamou a atenção dos pesquisadores quando eles avistaram algo que se assemelha a uma rocha de arenito da qual o Perseverance havia coletado uma amostra em julho. 

publicidade

A coleta de amostras de rochas é parte do objetivo do rover de procurar por quaisquer sinais de que já tenha existido vida em Marte (qualquer elemento, molécula, substância ou característica indicadora).

“Muitas vezes priorizamos o estudo de rochas sedimentares de grão fino como esta em nossa busca por orgânicos e potenciais bioassinaturas”, disse a vice-cientista do projeto Perseverance no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL), Katie Stack Morgan, em um comunicado. “O que é especialmente interessante sobre o afloramento de Yori Pass é que ele é lateralmente equivalente a ‘Hogwallow Flats’, onde encontramos rochas sedimentares de grão muito fino”.

publicidade

Essa formação rochosa é de interesse da equipe porque eles consideram que esses exemplares de grão fino têm mais chance de preservar evidências de vida, por conterem uma maior concentração de materiais argilosos que podem proteger grandes moléculas orgânicas da radiação solar severa, impedindo sua degradação.

Desde que pousou em Marte, o rover Perseverance coletou 14 amostras de núcleo de rocha e uma amostra atmosférica, que são armazenadas em sua “barriga”. A primeira coleta de amostras bem sucedida do rover foi em setembro de 2021.

publicidade

Essas coletas são um elemento-chave da planejada missão conjunta de retorno de amostras da NASA com a Agência Espacial Europeia (ESA), que visa enviar uma espaçonave a Marte, capturar as amostras marcianas seladas do Perseverance e trazê-las à Terra para análises aprofundadas.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!