O vulcão funciona como uma válvula de escape para magmas e gases que ficam nas camadas inferiores da litosfera – a superfície terrestre. É como se a Terra fosse uma panela de pressão gigantesca e cada vulcão fosse aquele pino da tampa.

Esses magmas vêm de câmaras magmáticas localizadas de 50 a 100 km de profundidade (distância entre São Paulo e Campinas). É nelas que rolam concentrações de calor, fusões e fluxo de voláteis. São as condições que aumentam a pressão e fazem o magma subir, formando vulcões.

Leia mais:

Estudos sobre vulcão

Lava escorrendo de dentro de vulcão
Teoria das placas tectônicas levou à compreensão da origem e funcionamento dos vulcões (Foto: Daniel Torobekov/Pexels)

A teoria das placas tectônicas, apresentada pelo canadense Tuzo Wilson, em 1965, levou à compreensão da origem e funcionamento dos vulcões.

publicidade

Pela teoria do cientista, blocos rochosos – que se encaixam igual peças num quebra-cabeça – formam a camada mais externa da Terra. São as placas tectônicas. E esses blocos encaixados flutuam sobre uma camada interna de rocha derretida.

Um vulcão nasce no ponto em que as placas se chocam ou se afastam, liberando o magma do subterrâneo. O arquipélago havaiano, por exemplo, surgiu sobre uma fresta aberta no solo oceânico, no meio do Pacífico. Inclusive, o maior vulcão do mundo – o Mauna Loa – fica lá.

Movimentos e colisões

O movimento das placas tectônicas acontece por conta das temperaturas altíssimas no interior da Terra. Esse calor desencadeia uma movimentação circular do manto, chamada de movimento convectivo.

Funciona assim: o calor do núcleo terrestre vai para as outras camadas do planeta – e as placas sob o manto se movimentam.

Explosão de um vulcão
Mais da metade dos vulcões ativos do planeta estão na região em que a Placa do Pacífico se choca com a Norte-Americana (Foto: Wikimedia Commons)

Quando as placam se trombam – no movimento convergente – a mais densa afunda e a mais leve sobe. Isso gera as dobras na crosta terrestre, onde surgem pequenas ilhas vulcânicas.

Mais da metade dos vulcões ativos do planeta estão na região em que a Placa do Pacífico se choca com a Norte-Americana, segundo a CPRM (Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais). É o Anel de Fogo do Pacífico.

Já na região onde a Placa de Nazca tromba com a Sul-Americana se formaram vulcões e cordilheiras. Na Cordilheira dos Andes – que se estende no Peru, Chile, Argentina, Equador, Colômbia, Bolívia e Venezuela – você encontra um vulcão a cada 100 km.

Ainda de acordo com o CPRM, existem cerca de 20 vulcões em atividade no mundo. E 90 tsunamis ocorreram por conta de erupções vulcânicas nos últimos 250 anos.

Fontes: Brasil Escola e Secretaria da Educação do Paraná

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!