Sem dúvidas, nossa natureza é fabulosa. Desde insetos e pássaros até cães, gatos e seres humanos, a perfeição de todo o sistema impressiona. E um dos animais mais diferentes que se encontra por aí é o vaga-lume.

Afinal, como esse inseto consegue se iluminar, criando quase uma”festa” na mata? Vamos descobrir a seguir.

Leia mais:

A iluminação do “vaga-fume” (se você é fã de “Chaves”, com certeza entendeu a referência) nada mais é do que uma reação bioquímica, uma interação entre substâncias químicas. Tudo isso resulta na luz que vemos a olho nu.

publicidade

Essa luz é chamada de bioluminescência e tem como objetivo aproximar macho e fêmea. Se olharmos bem, sua origem se dá no abdome do inseto. Mas, para que todo esse processo ocorra, é preciso que a substância luciferina faça seu papel – ao entrar em contato com o ar e a enzima luciferase, temos a conhecida luz amarelo-esverdeada do vaga-lume.

Nem todos os vaga-lumes piscam da mesma forma

Se você pensa que todos os vaga-lumes piscam sua luz da mesma fora (como as luzes de pisca-alerta de um carro), se enganou. A bem da verdade, existem três principais famílias de vaga-lumes, e cada uma pisca de um jeito.

A mais famosa é a que pisca com frequência e lembra uma lanterna na parte de trás do corpo do animal. Essa “animação” toda não passa de uma forma de atrair parceiros, pois os vaga-lumes dessa família em particular gostam dessa forma de luminescência.

Vaga-lumes são conhecidos por suas “festas” na natureza, enchendo-a de luz e cor (WUT.ANUNAI/Shutterstock)

Os teque-teques possuem três lanternas: duas maiores em seu tórax, emitindo luz ver continuamente e que podem ser ligadas ou desligadas, além de uma alaranjada, ativada apenas em seus voos. Contudo, também são usadas na hora de atrair um parceiro – e mais: também podem espantar predadores.

Por fim, as larvas trenzinho se diferenciam em seus gêneros. Os machos são similares a besouros, e sua luz é fraca; já a fêmea, parecida com uma larva, tem um lanterna verde no corpo e uma vermelha em sua cabeça. Essas servem apenas para defesa e para iluminar melhor na hora da caça.

De onde vem o nome vaga-lume?

Assim como o inseto, o nome vaga-lume também é interessante e diferente do que costumamos ouvir e pronunciar em nosso dia a dia. Mas, então, de onde surgiu essa nomenclatura?

Segundo o Dicionário Etimológico, a origem da palavra vaga-lume advém do português caga-lume ou caga-fogo, contudo, “com o passar do tempo, por questões de pudor e censura, trocou-se a letra ‘C’ por ‘V’. Assim, ‘vaga’ passou a representar o verbo ‘vagar’, que significa ‘andar sem rumo'”. Sendo assim, é possível definir que vaga-lume seria o mesmo que “luz que anda sem rumo”. “O lampejante bichinho é um eufemismo vivo, porque ‘lume’ significa ‘fogo’, ‘brilho’, ‘luz'”.

Deonísio da Silva, em seu livro “De onde vêm as palavras”, afirma que o escritor Machado de Assis foi quem aprovou a inserção da palavra em nosso vocabulário e dicionário, no século XIX.

Com informações de Guia dos Curiosos e Dicionário Etimológico

Imagem destacada: khlungcenter/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!