A vacina contra o HIV que entusiasmou o mundo ao avançar para um estágio final de teste é ineficaz, de acordo com anúncio feito na quarta-feira (18) pela Janssen, que pertence à Johnson & Johnson.

Não existe vacina para o HIV. A candidata da Janssen, a única vacina ainda sendo testada em ensaio clínico em estágio avançado, foi considerada segura em aproximadamente 3,9 mil participantes, homens que fazem sexo com homens e indivíduos transgêneros. Mas em comparação com um placebo, não foi mais eficaz na prevenção de infecções por HIV.

Leia mais:

O julgamento começou em 2019 e aconteceu na Argentina, Brasil, Itália, México, Peru, Polônia, Espanha e Estados Unidos. Em parceria com a Janssen, o estudo também foi conduzido pelo braço do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Institutos Nacionais de Saúde, pelo Comando de Pesquisa e Desenvolvimento Médico do Exército dos EUA e pela Rede de Ensaios de Vacinas contra o HIV.

publicidade

“Para nossos parceiros de pesquisa e outros que se esforçaram por décadas para desenvolver vacinas para acabar com a pandemia de HIV/AIDS, esses resultados são decepcionantes”, disse a dra. Susan Buchbinder, co-presidente do estudo da HVTN e diretora da Bridge HIV no Departamento de Saúde Pública de São Francisco. “Embora o HIV continue a ser desafio único para o desenvolvimento de uma vacina, a comunidade de pesquisa do HIV continua totalmente comprometida em fazer exatamente isso, e cada estudo nos aproxima um passo dessa realização.”

O teste foi chamado de Mosaico porque a vacina candidata era uma vacina “mosaico” – destinada a atingir uma variedade de cepas que causam infecções por HIV. Conforme relatado pela NBC, o fracasso desta vacina não foi necessariamente inesperado, porque um ensaio separado em mulheres também descobriu que a vacina não oferecia proteção contra infecções.

Tubo de ensaio HIV positivo
Imagem: PENpics Studio/Shutterstock

Próximos passos

Cerca de 38 milhões de pessoas vivem com HIV, ou vírus da imunodeficiência humana, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. O vírus HIV ataca o sistema imunológico humano e torna-se ameaça à vida se não for tratado.

Os tratamentos modernos, no entanto, permitem que aqueles que estão infectados e iniciam o tratamento vivam uma vida “normal” com medicamentos diários que mantêm o vírus indetectável em seus corpos.

Outras ferramentas contra o vírus incluem medicamentos PrEP para pessoas com maior risco de contrair HIV e medicamentos PEP pós-exposição para pessoas que podem ter sido expostas ao HIV.

A vacina mosaico foi grande negócio, pois estava sendo testada quanto à eficácia em ensaio de fase 3, que requer longo processo de desenvolvimento para chegar. Embora existam outras vacinas em desenvolvimento, incluindo algumas com tecnologia de mRNA, como a da Moderna, é muito cedo para avaliar a eficácia.

Um dos problemas para encontrar vacina eficaz contra o HIV centra-se em como nosso sistema imunológico responde ao HIV em comparação com outros vírus, segundo o Broad Institute do MIT e Harvard: nossos corpos são basicamente cegos à infecção. O vírus HIV também tem taxa de reprodução rápida e sofre mutações rapidamente.

As vacinas agem como infecções naturais na forma como estimulam nosso sistema imunológico a produzir anticorpos e atacar um vírus. Mas, ao contrário de quando está respondendo a um vírus como o da varíola ou da poliomielite, informou o instituto, nosso corpo é cego ao HIV.

O dr. Anthony Fauci, que se aposentou de seus cargos no governo dos EUA em dezembro, mas atuou como diretor do NIAID durante a crise da AIDS na década de 1980, disse à NBC que o fracasso do último teste foi “decepcionante”, mas que ainda há promessas nesse campo.

Fauci disse à publicação: “Não acho que as pessoas devam desistir do campo da vacina contra o HIV.”

Com informações de CNET

Imagem destacada: PENpics Studio/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!