Os efeitos a longo prazo da erupção do vulcão submarino de Hunga Tonga, em janeiro do ano passado, ainda estão sendo medidos, mas as consequências podem ser severas, incluindo danos na camada de ozônio.

De acordo com dados coletados por satélites da NASA, a erupção passiva foi detectada por sensores de todo o mundo e aumentou a quantidade de água na estratosfera em 10%. É justamente nessa camada que está o ozônio, responsável por proteger o planeta dos raios ultravioletas.

Com a água emitida pelo vulcão, a estratosfera pode sofrer um resfriamento, causando danos em sua capacidade de proteção, já que temperaturas mais baixas afetam o ozônio, podendo degradar sua capacidade de proteção.

Leia mais:

publicidade

Durante a medição, os cientistas monitoraram um aumento da formação de nuvens estratosféricas polares. Esse tipo de fenômeno causa camadas finas e estranhas de nuvens acima da Terra. Isso ocorre durante o inverno, quando a estratosfera fica mais fria e o ambiente fica propício para substâncias à base de cloro que enfraquecem o ozônio.

Desde o fim da década de 1980, essas substâncias foram proibidas. No entanto, continuam presentes na atmosfera. “Durante a noite polar, há pré-processamento dos compostos clorados acontecendo nas nuvens estratosféricas polares”, disse Vincent Henri Peuch, chefe do Serviço Europeu de Monitoramento da Atmosfera Copernicus, ao Space.com.

Nesta imagem de satélite tirada por Himawari-8, um satélite meteorológico japonês, e divulgada pela agência, mostra uma erupção de vulcão submarino na nação do Pacífico de Tonga sábado, 15 de janeiro de 2022. Um vulcão submarino entrou em erupção de forma espetacular perto da nação do Pacífico de Tonga no sábado, enviando grandes ondas batendo pela costa e pessoas correndo para um terreno mais alto. (Agência de Meteorologia do Japão)

Buraco na camada de ozônio impactado por vulcão

“Isso funciona durante todo o inverno antártico em julho e agosto, e quando a luz retorna nas regiões polares em setembro, todo esse pré-processamento se transforma na destruição do ozônio que vemos como o buraco do ozônio”, completou.

Quando a estratosfera aquece e o verão antártico chega, o buraco de ozônio começa a fechar e geralmente desaparece até o final de novembro. Em 2022 não houve muito impacto. No entanto, os cientistas estão de olho no que vai acontecer em 2023.

“O material da Hunga Tonga não entrou no buraco de ozônio sobre a Antártica este ano, mas certamente chegará lá no próximo ano”, disse Newman. “E apenas a partir de uma simples estimativa, eu diria que o efeito será detectável e que será bastante grande. Claro, a estratosfera antártica varia de ano para ano, então há sempre uma chance de termos uma circulação estratosférica estranha no próximo ano e o efeito de Hunga Tonga não será evidente, mas acho que será.”

A preocupação maior, entretanto, não é com o buraco provisório na camada de ozônio, e sim com o que se forma acima da Antártida e pode atingir tamanhos absurdos. “Não entendemos exatamente o que impulsiona a variabilidade do ano este ano”, disse Peuch. “É como o clima. Um ano, a estratosfera será mais fria do que no próximo ano. Você tem períodos cada vez mais quentes, e com isso você tem diferentes padrões de variabilidade no tamanho do buraco de ozônio. Ainda é uma área de pesquisa.”

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!