Com regulamentos cada vez mais rígidos de emissões, a sustentabilidade também se tornou o foco das empresas que atuam no mercado de navios de cruzeiro. Além de apostar em propulsão eletrificada, outra tendência da vez é usar os superiates como fonte de inspiração.

A ideia é tornar as viagens mais intimistas, sem abdicar do luxo. O novíssimo SH Diana é uma embarcação que incorpora tudo isso a bordo, incluindo um sistema de propulsão mais moderno e ecológico.

Navio de cruzeiro SH Diana inclui um sistema de propulsão híbrida elétrica e a diesel.
Navio de cruzeiro SH Diana inclui um sistema de propulsão híbrida elétrica e a diesel. Imagem: Swan Hellenic/Divulgação

Leia mais:

O modelo vai se juntar nos próximos meses a frota da britânica Swan Hellenic, um nome que surgiu nos anos 1950 e voltou a ativa em 2020. Com 125 metros e nove andares, o navio é o maior da empresa até aqui e tem espaço para levar 333 pessoas (incluindo 141 tripulantes).

publicidade

A embarcação foi projetada com casco reforçado contra gelo, seguindo o mesmo padrão dos navios de exploração que navegam no Ártico. Estabilizadores extragrandes prometem absorver o balanço do mar, tornando os passeios mais suaves.

Navio de cruzeiro SH Diana inclui um sistema de propulsão híbrida elétrica e a diesel.
Imagem: Swan Hellenic/Divulgação

Navio de cruzeiro com propulsão híbrida

Equipado com um sistema híbrido a diesel e elétrico, o SH Diana pode navegar a até 26,8 km/h (ou 14,5 nós). Seu alcance é de impressionantes 14.800 km (8 mil milhas náuticas). Segundo a fabricante, isso se traduz em 40 dias navegando de forma autossuficiente.

Completam o pacote comodidades como suítes elegantes com design escandinavo, vistas panorâmicas, sauna, jacuzzi e muito mais. 

Imagem: Swan Hellenic/Divulgação

O navio cinco estrela estreia em abril, viajando da Itália para a costa de Portugal.

Imagem principal: Swan Hellenic/Divulgação

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!