Elon Musk quer colocar um chip de computador no cérebro das pessoas por meio de sua startup de neurotecnologia, a Neuralink. Ela tem trabalhado para implantar seu chip cerebral embutido em um crânio em um ser humano desde que foi fundada em 2016.

Após anos de testes em animais, Musk anunciou em dezembro que a empresa planejava iniciar testes em humanos dentro de seis meses.

Leia mais:

A Neuralink passou mais de meia década descobrindo como traduzir sinais cerebrais em saídas digitais – imagine ser capaz de mover um cursor, enviar uma mensagem de texto ou digitar em um processador de texto com o pensamento apenas.

publicidade

Embora o foco inicial seja em casos de uso médico, como ajudar pessoas paralisadas a se comunicarem, Musk aspirou a levar os chips da Neuralink para o mainstream – para, como ele disse, colocar um “Fitbit em seu crânio”.

A empresa de Musk está longe de ser o único grupo trabalhando em interfaces cérebro-computador, ou sistemas para facilitar a comunicação direta entre cérebros humanos e computadores externos. Outros pesquisadores estão estudando o uso de BCIs para restaurar os sentidos perdidos e controlar membros protéticos, entre outras aplicações.

Embora essas tecnologias ainda estejam engatinhando, elas já existem há tempo suficiente para os pesquisadores terem cada vez mais noção de como os implantes neurais interagem com nossas mentes.

Como disse Anna Wexler, professora assistente de filosofia no Departamento de Ética Médica e Política de Saúde da Universidade da Pensilvânia: “Claro que causa mudanças. Mudanças importam?”

Intervir na delicada operação de um cérebro humano é um negócio complicado, e os efeitos nem sempre são desejáveis ou intencionais. As pessoas que usam BCIs podem sentir profunda sensação de dependência dos dispositivos, ou como se seu senso de identidade tivesse sido alterado. Antes de chegarmos ao ponto em que as pessoas fazem fila para implantar um smartphone em seus cérebros, é importante lidar com seus perigos e armadilhas éticas únicas.

Da ficção científica para a realidade

No filme de 1974, “O Homem Terminal”, um homem recebe um implante cerebral invasivo para ajudar com suas convulsões. Embora a operação inicialmente pareça ser um sucesso, as coisas dão errado quando a exposição contínua ao chip o leva a um surto psicótico.

Como costuma acontecer em filmes de ficção científica, um cientista – que não teve o nome divulgado – adverte sobre o desastre no início da história, comparando os implantes com as lobotomias dos anos 1940 e 1950. “Eles criaram número desconhecido de vegetais humanos”, diz. “Essas operações foram realizadas por médicos ansiosos demais para agir.”

Embora os humanos ainda não tenham produzido carros voadores, missões tripuladas a Marte ou engenharia de replicantes convincentes, os BCIs podem ser a tecnologia mais significativa não apenas para alcançar, mas em alguns casos superar suas primeiras representações de ficção científica.

Mais de 200 mil pessoas em todo o mundo já utilizam algum tipo de BCI, principalmente por motivos médicos. Talvez o caso de uso mais conhecido seja o dos implantes cocleares, que permitem que os surdos, de certa forma, ouçam.

Outro caso de uso preeminente é na prevenção de ataques epilépticos: os dispositivos existentes podem monitorar a atividade de sinais cerebrais para prever ataques e alertar a pessoa para que ela evite certas atividades ou tome medicamentos preventivos.

Neuralink elon musk
Imagem: T. Schneider/Shutterstock

Alguns pesquisadores propuseram sistemas que não apenas detectam, mas evitam convulsões com estimulação elétrica, quase exatamente o mecanismo descrito em “O Homem Terminal”. Implantes para pessoas com doença de Parkinson, depressão, TOC e epilepsia estão na fase de testes em humanos há anos.

Melhorias recentes em inteligência artificial e materiais de sondagem neural tornaram os dispositivos menos invasivos e mais escaláveis, o que naturalmente atraiu onda de financiamento privado e militar.

Paradromics, Blackrock Neurotech e Synchron são apenas alguns concorrentes apoiados por empreendimentos que trabalham em dispositivos para pessoas paralisadas.

Em novembro de 2020, uma startup chamada Science revelou conceito para uma interface bioelétrica para ajudar a tratar a cegueira. E, em setembro passado, a Magnus Medical obteve aprovação da FDA (Food and Drug Administration) para terapia de estimulação cerebral direcionada para transtorno depressivo maior.

A Neuralink, por sua vez, tem sido perseguida por histórico de promessas exageradas – falhando em cumprir prazos, por exemplo, e supostamente desencadeando investigação federal sobre alegações de violações de bem-estar animal.

A empresa de inteligência de mercado Grand View Research avaliou o mercado global de implantes cerebrais em US$ 4,9 bilhões em 2021, e outras empresas projetaram que o número poderia dobrar até 2030.

Por enquanto, os BCIs estão restritos ao domínio médico, mas vasta gama de usos não médicos foi proposta para a tecnologia. A pesquisa publicada em 2018 descreveu participantes usando BCIs para interagir com vários aplicativos em tablet Android, incluindo digitação, mensagens e pesquisa na web apenas imaginando movimentos relevantes.

Aplicações mais especulativas incluem jogar videogames, manipular a realidade virtual ou até mesmo receber entradas de dados como mensagens de texto ou vídeos diretamente, ignorando a necessidade de monitor.

Isso pode soar como ficção científica, mas a realidade é que chegamos a um ponto em que as barreiras culturais e éticas para esse tipo de tecnologia começaram a superar as barreiras técnicas. E, apesar da natureza ficcional de “O Homem Terminal”, sua reviravolta desastrosa levanta questões reais sobre os efeitos não intencionais dos BCIs.

Não houve casos confirmados de ataques violentos no estilo do filme causados por BCIs, mas evidências convincentes sugerem que os dispositivos podem causar alterações cognitivas além do escopo de suas aplicações pretendidas.

Algumas dessas mudanças foram positivas; afinal, as BCIs pretendem mudar certas coisas sobre seus usuários. Wexler entrevistou pessoas com Parkinson que estavam passando por estimulação cerebral profunda, tratamento cirúrgico que envolve a implantação de fios de metal finos que enviam pulsos elétricos ao cérebro para diminuir sintomas motores e descobriu que muitos haviam perdido a capacidade motora, e identificou que muitos perderam seu senso de identidade antes de se submeter ao tratamento.

“Muitos achavam que a doença os havia roubado, de certa forma, de quem eles eram”, ela disse. “Isso realmente afeta sua identidade, seu senso de identidade, se você não pode fazer as coisas que pensa ser capaz de fazer.” Nesses casos, os BCIs ajudaram as pessoas a sentir que estavam voltando a si mesmas, ajudando a tratar a doença subjacente.

Eran Klein e Sara Goering, pesquisadores da Universidade de Washington, também notaram mudanças positivas na personalidade e na autopercepção entre as pessoas que usam BCIs.

Em artigo de 2016 sobre atitudes e considerações éticas em torno do DBS, eles relataram que os participantes do estudo frequentemente sentiam que o tratamento os ajudava a recapturar eu “autêntico” que havia sido desgastado pela depressão ou transtorno obsessivo-compulsivo.

“Comecei a me perguntar o que sou eu, o que é a depressão e o que é o estimulador”, disse um paciente. Em uma palestra no final de 2022 sobre pesquisas semelhantes, a neuropsicóloga Cynthia Kubu descreveu maior senso de controle e autonomia entre os pacientes que ela entrevistou.

Mas nem todas as mudanças que os pesquisadores descobriram são benéficas. Em entrevistas com pessoas que tiveram BCIs, Frederic Gilbert, professor de filosofia da Universidade da Tasmânia especializado em neuroética aplicada, notou alguns efeitos estranhos.

“As noções de personalidade, identidade, agência, autenticidade, autonomia e eu – essas são dimensões muito compactas, obscuras e opacas”, disse Gilbert. “Ninguém realmente concorda com o que eles significam, mas temos casos em que está claro que os BCIs induziram mudanças na personalidade ou na expressão da sexualidade.”

Em vários estudos de entrevistas, Gilbert notou que os pacientes relatam sentimentos de não se reconhecerem, ou o que é normalmente chamado de “estranhamento” na pesquisa. “Eles sabem que são eles mesmos, mas não é como antes da implantação”, disse ele.

Alguns expressaram sentimentos de ter novas capacidades não relacionadas a seus implantes, como uma mulher de quase 50 anos que se machucou ao tentar levantar uma mesa de bilhar que pensava poder mover sozinha.

Embora algum distanciamento possa ser benéfico – se resultar em um senso saudável de autoestima, por exemplo – instâncias negativas, conhecidas como estranhamento deteriorativo, podem ser bastante irritantes. “Isso levou a casos extremos em que houve tentativa de suicídio”, disse Gilbert.

Para as pessoas que usam BCIs para ajudar com limitação médica significativa, faz sentido que o tratamento tenha efeito psicológico positivo. Mas quando se trata de considerar chips cerebrais para uso popular, há muito mais preocupação com as desvantagens.

Imagem: Aleksandra Sova/Shutterstock

Smartphone cerebral

À medida que a tecnologia melhora, nos aproximamos da visão “Fitbit em seu crânio” de Musk. Mas há razão para ser cauteloso. Afinal, se é fácil ficar viciado em seu telefone, pense em como seria muito mais viciante se fosse conectado diretamente ao seu cérebro.

Gilbert contou sobre um paciente que entrevistou que desenvolveu espécie de paralisia de decisão, sentindo como se não pudesse sair ou decidir o que comer sem primeiro consultar o dispositivo que mostrava o que estava acontecendo em seu cérebro. “Não há nada de errado em ter um dispositivo que está concluindo uma decisão”, disse Gilbert, “mas no final, o dispositivo meio que suplantou a pessoa na decisão, expulsando-a do circuito.”

Às vezes, um paciente pode confiar tanto em seu dispositivo que sente que não pode funcionar sem ele. Gilbert encontrou muitos participantes do estudo que caíram em depressão ao perder o suporte para seus dispositivos e removê-los, muitas vezes simplesmente porque determinado teste expirou ou ficou sem financiamento.

“Você cresce gradualmente e se acostuma”, disse em entrevista um participante anônimo do estudo que recebeu dispositivo para detectar sinais de atividade epiléptica. “Tornou-se eu.”

Esse tipo de dependência é ainda mais complicado pelo fato de que os BCIs são difíceis de sustentar financeiramente e manter, muitas vezes exigindo cirurgia cerebral invasiva para removê-los e reimplantá-los.

Como os BCIs ainda estão em fase de teste, faltam padrões universais ou suporte financeiro estável, e muitos dispositivos correm o risco de perder financiamento abruptamente. Os primeiros usuários podem ter seu senso de identidade interrompido por problemas na cadeia de suprimentos, atualizações de hardware ou falência de uma empresa.

Há também preocupações com a privacidade que acompanham o acesso de um computador às suas ondas cerebrais. “Se você conseguir um dispositivo para ajudá-lo a mover seu braço protético, por exemplo, esse dispositivo captará outras fontes de ruído que você pode não querer que saiam de seu cérebro”, disse Gilbert.

“Há muito ruído de fundo, e esse ruído de fundo pode ser decifrado. Esse ruído é necessariamente convertido, localizado em algum lugar na nuvem.” Alguém poderia aprender muito estudando suas ondas cerebrais e, se um hacker conseguisse acessar seus dados, poderia ler sua mente, de certa forma, procurando por expressões específicas de atividade de sinais cerebrais.

Uma vez que os BCIs ainda estão restritos principalmente ao campo médico, a maioria dos adotantes iniciais fica feliz em fazer esses tipos de compensações. “Se alguém tem uma deficiência que o impede de se comunicar”, disse Wexler, “geralmente fica muito feliz se houver uma tecnologia que permita que ele faça isso”. Mas, deixando de lado a ideia de que os BCIs não médicos provavelmente apresentariam uma série de novos problemas, é menos claro que as compensações valeriam a pena apenas para ter um Fitbit em sua cabeça.

Embora ainda estejamos muito longe do futuro ciborgue de mentes eletronicamente interconectadas profetizado por pessoas como Elon Musk, o crescimento acelerado da indústria aumenta a urgência de considerações éticas antes restritas à ficção científica.

Se um chip cerebral pode mudar partes importantes de sua personalidade, as empresas não deveriam se apressar em colocá-lo na cabeça das pessoas. Wexler disse que, embora a maioria das pessoas no setor não esteja tão aberta ao uso de BCIs como produto de consumo, elas ainda acham que é provável que isso aconteça. Se isso acontecer, disse ela, “toda a relação risco-benefício muda”.

Via Business Insider

Imagem destacada: peterschreiber.media/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!