A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta quinta-feira (11) que a mpox, antes chamada de varíola dos macacos, não é mais uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII). 

O título de alerta, considerado o mais alto pelo órgão, foi declarado para a doença em julho de 2022. Decisão ocorre menos de uma semana após a organização anunciar que a covid-19 também não é mais uma emergência de saúde global

Leia mais! 

Segundo último relatório da OMS, mais de 87 mil casos de mpox foram confirmados em todo o mundo desde janeiro de 2022. Um total de 140 mortes também foram registradas. Desde setembro do ano passado, no entanto, o número de casos está em declínio. 

publicidade

Vacinação contra Mpox no Brasil 

A vacinação contra a doença para grupos específicos começou no Brasil em março deste ano — cinco meses após receber o primeiro lote do imunizante autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Jynneos/Imvanex. 

O grupo com risco de desenvolver a forma grave da doença inclui pessoas que vivem com HIV/aids e profissionais de saúde que atuam em locais com exposição ao vírus. A vacinação abrange tanto pessoas com pré-exposição (que podem ter contato) quanto as que já foram expostas. 

A mudança de nome para Mpox

Vale explicar que a mpox foi detectada pela primeira vez em humanos em 1970. Após o surto mundial iniciado no ano passado, a OMS optou por alterar o nome da condição. Isso porque devido à nomenclatura popular (varíola dos macacos) ela foi relacionada a primatas mesmo não tendo nenhuma ligação — todas as transmissões identificadas foram atribuídas à contaminação por transmissão entre pessoas. 

Além disso, a alteração também veio para se livrar do tom racista da expressão que, mediante diversas referências incorretas, classificavam a doença como africana. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!