Os filtros faciais – aqueles do TikTok e stories do Instagram, por exemplo – estão cada vez mais sofisticados. Tudo é possível, desde pequenas “correções” até mudar completamente a estrutura do rosto. Mas isso pode ser prejudicial para a saúde mental dos usuários.

O que você precisa saber:

  • Alguns países adotaram medidas legislativas para regular o uso dos filtros nas redes sociais;
  • Filtros de beleza estão cada vez mais sofisticados, mas uso crônico pode prejudicar saúde mental dos usuários;
  • A condição médica resultante tem até nome próprio agora: Dismorfia de Selfie;
  • Estudos mostram que parcela significativa de jovens se sentem pressionados pelos padrões de beleza das redes sociais.

Dois terços dos jovens se sentem pressionados pelos padrões de beleza nas redes sociais, de acordo com um estudo da YMCA britânica. Para lidar com esse cenário, vários países adotaram medidas legislativas para regular o uso do filtro.

Leia mais:

Intervenção legislativa

Martelo de juiz sobre mesa com bandeira da União Europeia ao fundo
(Imagem: Bartolomiej Pietrzyk/Shutterstock)

Na Noruega e em Israel, as fotos que forem manipuladas por filtros agora devem ser rotuladas assim que forem usadas para publicidade nas redes sociais.

publicidade

Na França, um projeto de lei também visa promulgar regulamentos semelhantes para gravações de fotos e vídeos, com influenciadores enfrentando multas de até US$ 325 mil (aproximadamente R$ 1,6 milhão na cotação) ou seis meses de prisão por violações. E regulamentações desse tipo também já estão sendo discutidas no Reino Unido.

A professora Katja Gunkel, que leciona sobre estudos culturais da Universidade Goethe em Frankfurt e é especializada em cultura digital e estética do consumidor, disse, em entrevista ao DW, que seria a favor de tal regulamentação. Mas fez uma distinção clara entre uso público e privado.

Estamos falando apenas do setor comercial aqui. Você não pode usá-lo para selfies na esfera privada. Como isso deve funcionar, quem deve controlar isso? Eu chamaria isso de censura, então.

Katja Gunkel, professora da Universidade Goethe (Alemanha) e especialista em cultura digital e estética do consumidor, em entrevista ao DW

Em vez disso, crianças e jovens precisam ser educados desde cedo para fortalecer suas habilidades na mídia, acrescentou. “Vivemos sob o capitalismo, e ele simplesmente funciona incrivelmente bem para dar às pessoas a sensação de que precisam continuar se otimizando e vincular isso ao consumo de certos produtos ou serviços, como intervenções médicas”, disse.

Beleza artificial

Ilustração e montagem com três imagens com filtros de moças em celular no modo selfie
(Imagem: Reprodução/My Social Life)

Todo mundo tem espinhas, poros e impurezas na pele. É normal. Mas nas redes sociais, essas características viram falhas. Nesse ambiente, praticamente todo influenciador parece sorrir de volta para usuários com cabelos perfeitos, pele lisa e dentes brancos e brilhantes.

Poucos anos atrás, só dava para aplicar filtros em fotos. Mas agora as pessoas podem mudar sua aparência em vídeos de maneira tão sofisticada e abrangente que o processamento da imagem é dificilmente detectável.

No começo de março, dois filtros no TikTok causaram rebuliço. Com a ajuda da inteligência artificial, o filtro “Teenage Look” faz com que as pessoas pareçam mais jovens. E o filtro Bold Glamour transforma o rosto de acordo com os padrões de beleza idealizados – dando ao usuário lábios mais cheios, olhos mais brilhantes, nariz mais fino e pele impecável.

Problemas escondidos nos filtros

Moça tirando selfie na rua
(Imagem: wayhomestudio/Freepik)

Esse tipo de filtro reforça um ideal de beleza uniforme no qual a pele negra geralmente é iluminada, a pele branca parece mais rosada e os narizes proeminentes são estreitos.

Esse apelo estético é definitivamente problemático de se ver, porque muitos estereótipos são condensados ​​nos filtros.

Katja Gunkel, Katja Gunkel, professora da Universidade Goethe (Alemanha) e especialista em cultura digital e estética do consumidor, em entrevista ao DW

A tecnologia é nova, ela acrescentou, mas os clichês sobre as várias funções que ela desempenha estão desatualizados. “Existem muitos filtros altamente problemáticos disponíveis para todos e, claro, também há uma enorme pressão para se adequar a isso”, disse ela.

Consequências

Montagem com imagem original de menina e imagem dela com filtro de beleza
(Imagem: Dove)

Esses filtros podem ter sérias consequências psicológicas para os usuários. Uma pesquisa da organização juvenil britânica Girlguiding relatou que cerca de um terço de todas as meninas entre 11 e 21 anos não postariam mais uma foto não editada de si.

É um jogo com o diabo. Assim que aparecemos publicamente com os filtros, recebemos um feedback positivo na forma de corações e curtidas. Nos sentimos aceitos e a dopamina flui.

Silvi Carlsson, youtuber alemã que posta vídeos contra os filtros de beleza

A condição médica resultante tem até nome próprio agora: Dismorfia de Selfie. Quanto mais selfies filtradas se tornam a norma, mais a autoestima de muitas pessoas é afetada.

A sensação de não conseguir incorporar as exigências desses ideais de beleza pode até desencadear a depressão, de acordo com a revista científica JAMA Facial Plastic Surgery.

Com informações de DW

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!