Um estudo realizado por pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts, em Boston, nos Estados Unidos, mostrou que a diminuição da ingestão de oxigênio, ou “restrição de oxigênio”, pode estar associada a uma vida útil mais longa. Os testes foram realizados em camundongos de laboratório, mas a pesquisa pode apoiar a descoberta de como aumentar a longevidade em outros mamíferos.

Leia mais:

O estudo

  • O pesquisador Robert Rogers e outros colegas do Hospital Geral de Massachussets conduziram a pesquisa para entender qual o potencial da restrição de oxigênio no antienvelhecimento em mamíferos.
  • Os camundongos usados na pesquisa foram criados para envelhecer mais rapidamente e já mostravam sinais disso.
  • Os cientistas compararam a expectativa de vida dos animais que vivem com um número normal de oxigênio atmosférico (cerca de 21%) com as dos que foram transferidos, com quatro semanas de idade, para um ambiente com menor proporção de oxigênio (11%).
  • O novo número é semelhante ao que experienciamos em uma altitude de 5 mil metros.
Como os camundongos são mamíferos, as conclusões da pesquisa devem nortear o estudo em seres humanos (Imagem: Kampol Taepanich – Shutterstock)

Resultados

Eles descobriram que os camundongos que vivem no ambiente com restrição de oxigênio vivem 50% mais do que os outros, em um ambiente normal: eles têm uma vida média de 23,6 semanas, versus 15,7 semanas dos demais. Além disso, os animais apresentaram atraso no início dos déficits neurológicos associados ao envelhecimento.

Outras pesquisas

Pesquisas anteriores a essa, que foi publicada na revista de acesso aberto PLOS Biology, mostraram que camundongos da mesma espécie também tinham sua expectativa aumentada com a restrição alimentar. Os cientistas, então, analisaram se a restrição de oxigênio aumentava a vida dos animais simplesmente porque influenciava nos seus hábitos alimentares.

publicidade

Eles chegaram à conclusão de que uma restrição não tinha relação com a outra, porque não afetou a ingestão de alimentos por parte dos camundongos, e outras variantes devem estar em ação.

Para a pesquisa, os camundongos tiveram que ser isolados e observados durante a vida (Imagem: Gorodenkoff/Shutterstock)

Conclusões sobre longevidade

A pesquisa apoia o potencial da restrição de oxigênio em retardar o envelhecimento em mamíferos, que possivelmente poderá ser extrapolada para humanos. Porém, a conclusão imediata de que o mesmo vale para nós não é certeira, e mais estudos devem ser conduzidos para esclarecer os benefícios da restrição.

Outras pesquisas mostraram que níveis menores de oxigênio também prologam a expectativa de vida de leveduras, nematóides e moscas-das-frutas.

Com informações de Medical Xpress

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!