Por que algumas pessoas desenvolvem a doença de Alzheimer enquanto outras não? E, de forma ainda mais intrigante, por que muitos indivíduos cujos cérebros estão repletos de agregados tóxicos de amiloide — um sinal característico da patologia cerebral do Alzheimer — nunca desenvolvem demências associadas à doença?

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh parecem ter encontrado a resposta.

  • Células cerebrais chamadas astrócitos têm papel crucial na doença de Alzheimer.
  • Pesquisa publicada na revista Nature Medicine revela influência dos astrócitos na progressão da doença.
  • Estudo analisou o sangue de mais de 1.000 idosos cognitivamente saudáveis.
  • Aqueles com acúmulo de amiloide e marcadores sanguíneos anormais dos astrócitos tiveram maior probabilidade de desenvolver Alzheimer sintomático no futuro.
  • Descoberta é importante para o desenvolvimento de medicamentos que interrompam a progressão da doença.

Leia mais:

Nosso estudo argumenta que testar a presença de amiloide no cérebro juntamente com biomarcadores sanguíneos de reatividade dos astrócitos é o rastreamento ideal para identificar pacientes com maior risco de desenvolver a doença de Alzheimer. Isso coloca os astrócitos no centro como principais reguladores da progressão da doença, desafiando a ideia de que o amiloide é suficiente para desencadear a doença de Alzheimer.

Tharick Pascoal, autor sênior do artigo

Abordagem atual sobre o Alzheimer

alzheimer
Imagem: DedMityay / Shutterstock.com
  • A doença de Alzheimer é uma condição neurodegenerativa caracterizada por perda progressiva de memória e demência.
  • O acúmulo de placas de amiloide e emaranhados de tau é a marca registrada da doença de Alzheimer.
  • Por décadas, acredita-se que o acúmulo de placas de amiloide e emaranhados de tau era não apenas um sinal, mas também a causa direta da doença.
  • Isso levou os fabricantes de medicamentos a focarem em moléculas que visam o amiloide e a tau.
  • No entanto, outros processos cerebrais, como o sistema neuroimune, podem ter contribuições significativas para a doença de Alzheimer.

Teste sanguíneo

Descobertas recentes de grupos como o de Pascoal sugerem que a interrupção de outros processos cerebrais, como a inflamação cerebral aumentada, pode ser tão importante quanto o próprio acúmulo de amiloide para iniciar a cascata patológica de morte neuronal que causa rápido declínio cognitivo.

publicidade

Em sua pesquisa anterior, Pascoal e seu grupo descobriram que a inflamação do tecido cerebral desencadeia a propagação de proteínas patologicamente malformadas no cérebro e é uma causa direta de comprometimento cognitivo eventual em pacientes com doença de Alzheimer.

Agora, quase dois anos depois, os pesquisadores revelaram que o comprometimento cognitivo pode ser previsto por meio de um exame de sangue.

Os astrócitos são células especializadas presentes em abundância no tecido cerebral. Eles fornecem suporte às células neuronais, fornecendo nutrientes e oxigênio e as protegendo de patógenos. No entanto, como as células gliais não conduzem eletricidade e, a princípio, não pareciam desempenhar um papel direto na comunicação entre os neurônios, seu papel na saúde e na doença foi negligenciado. Este novo estudo muda tudo.

O estudo

Os astrócitos coordenam a relação entre amiloide e tau no cérebro como um maestro dirigindo a orquestra. Isso pode ser um divisor de águas para o campo, uma vez que os biomarcadores gliais, em geral, não são considerados em nenhum modelo de doença principal.

Bruna Bellaver, autora principal do estudo
alzheimer
Imagem: Kateryna Kon / Shutterstock.com

Os cientistas testaram amostras de sangue de participantes de três estudos independentes envolvendo idosos cognitivamente saudáveis em busca de biomarcadores de reatividade dos astrócitos — a proteína ácida fibrilar glial, ou GFAP — juntamente com a presença de tau patológica.

O estudo mostrou que apenas aqueles que foram positivos tanto para amiloide quanto para reatividade dos astrócitos mostraram evidências de desenvolvimento progressivo de patologia da tau, indicando predisposição a sintomas clínicos da doença de Alzheimer.

As descobertas têm implicações diretas para futuros ensaios clínicos de candidatos a medicamentos para o Alzheimer. Ao visar interromper a progressão da doença mais cedo, os ensaios estão avançando para estágios cada vez mais precoces da doença pré-sintomática, tornando o diagnóstico precoce correto do risco de Alzheimer fundamental para o sucesso.

Como uma porcentagem significativa de indivíduos com teste positivo para amiloide não progredirá para formas clínicas de Alzheimer, a positividade para amiloide sozinha não é suficiente para determinar a elegibilidade de um indivíduo para uma terapia.

A inclusão de marcadores de reatividade dos astrócitos no painel de testes diagnósticos permitirá uma seleção aprimorada de pacientes com maior probabilidade de progredir para estágios posteriores da doença de Alzheimer e, portanto, ajudará a aprimorar a seleção de candidatos para intervenções terapêuticas que têm mais chances de se beneficiar.

Com informações de Medical Xpress.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!